O primeiro contrato do Bitcoin futuros expirou em US$10.900, 'vitória para os bears'

O primeiro contrato de futuros do Bitcoin na Chicago Board Options Exchange (CBOE) expirou na quarta-feira, 16 de janeiro em US$10.900 depois de uma semana relativamente turbulenta no mercado de criptomoedas que levou o preço do Bitcoin (BTC) abaixo dos US$10.000.

Lá por 9 de janeiro, haviam próximo de 1.907 contratos de curta posição para futuros do Bitcoin no CBOE. Quando os futuros fecharam em 16 de janeiro, o BTC caiu cerca de 36%.

A Reuters informou sobre o fechamento do contrato de futuros como uma "vitória para os bears do Bitcoin sobre os bulls."

O presidente-executivo da CBOE, Ed Tilly, disse ao Financial Times:

"[O] mercado experimentou um fechamento operacional suave e o processo de liquidação funcionou como projetado."

A CBOE lançou a negociação de futuros do BTC em 11 de dezembro, atraindo tanto volume de negociação para o site que este ficou temporariamente fora do ar. No dia do lançamento, os preços da BTC permaneceram entre cerca de US$16.500 e US$17.500.

Olhando para trás para antes do seu lançamento em novembro de 2017, em um post do blog da CBOE do CFA Russell Rhoads especulando sobre o potencial desconhecido do Bitcoin futuros, diz:

"A questão que eu estou ouvindo constantemente é:"Como os preços dos futuros se relacionam com o preço do Bitcoin atual", e a melhor resposta (e mais honesta) que posso dar é" eu não sei"[...] Eu ouvi argumentos para negociação de futuros como um desconto para o preço à vista atual, pessoalmente, acho que a melhor estratégia é ver o que o mercado nos diz quando o Bitcoin futuros estiverem disponíveis para negociação."

CME Group lançou a segunda negociação de Bitcoin futuros do mundo em 18 de dezembro, com cada contrato representando cinco bitcoins, enquanto os contratos da CBOE representam um Bitcoin. Os primeiros contratos de Bitcoin da CME expirarão em 26 de janeiro.

O Cointelegraph escreveu no início de janeiro que a liberação dos futuros de Bitcoin é uma indicação de que mais instituições, como as de Wall Street, estão se tornando dispostas a reconhecer o Bitcoin como um ativo legítimo.