FINRA multa o cofundador do Tezos em $20 mil por falhas de divulgação da Morgan Stanley

Reguladores norte-americanos multaram o cofundador da Tezos, Arthur Breitman, em US$20 mil e impediram a interação entre corretor e distribuidor até 2020, informou a Reuters em 20 de abril.

De acordo com um acordo entre a Breitman e a Autoridade Reguladora da Indústria Financeira de Wall Street (FINRA) selada em 18 de abril, uma falha em divulgar “atividades comerciais externas” relacionadas a Tezos enquanto trabalhava para o Morgan Stanley desencadeou as penalidades.

O revés é a mais recente dor de cabeça para a Tezos, que tem visto uma controvérsia quase constante desde que sua gigante oferta ICO de US$232 milhões, fechou em julho de 2017.

Os investidores ainda não receberam quaisquer tokens TEZ, e a Breitman, juntamente com sua companheira e cofundadora Kathleen, enfrentam vários processos judiciais contra consumidores.

Segundo a Reuters, Breitman "não admitiu nem negou" as últimas acusações.

"Breitman não notificou o Morgan Stanley a qualquer momento que ele estava envolvido nessas atividades de negócios externos", FINRA escreveu referenciando o desenvolvimento de Tezos.

Apesar de novas brigas internas em fevereiro deste ano, quando Kathleen Breitman expressou um plano para lançar a plataforma por conta própria, o advogado que representa Arthur parecia legal sobre um lançamento legítimo ainda estar nas cartas.

"O acordo com a FINRA não tem relação e não tem impacto sobre o lançamento da rede Tezos", disse Sarah Lightdale em um comunicado.

"Arthur cooperou totalmente com a FINRA em todos os momentos e Arthur tem o prazer de colocar esse assunto pessoal para trás."