Facebook remove anúncios de um golpe de Bitcoin que usava a imagem do príncipe herdeiro de Abu Dhabi

O Facebook retirou os anúncios de um golpe de bitcoin ( BTC ) que se fazia passar por uma mensagem do príncipe herdeiro de Abu Dhabi, segundo o site de notícias dos Emirados Árabes Unidos , The National, em 30 de junho.

De acordo com o relatório, um golpe recente na mídia social - apelidado de “Bitcoin Loophole” - afirmava que o xeque Mohamed Bin Zayed, príncipe herdeiro de Abu Dhabi e vice-comandante supremo das Forças Armadas, endossou pessoalmente um esquema de negociação com Bitcoins que garantia retornos semanais.

O gigante das mídias sociais supostamente apagou os posts fraudulentos depois que milhares de investidores entregaram informações pessoais e dinheiro a criminosos baseados na Ucrânia e na Argentina.

O esquema pediu aos investidores que fizessem uma doação inicial de 1.000 dirhams dos Emirados Árabes Unidos (US$ 272), alegando que a estratégia de retornos financieiros com bitcoin era a maneira do príncipe "devolver ao povo" riquezas. O Bitcoin Loophole arrecadou até US$ 13.000 por dia. 

Captura de tela do post do scam

Captura de tela do post do scam. Fonte: O Nacional

A Bitcoin A Loophole supostamente convenceu os investidores ao combinar os supostos retornos com Bitcoin com detalhes de um pacote de estímulo econômico criado pelo Sheik. Ele também usou imagens de um jornalista norte- americano e de citações falsas do fundador da Microsoft, Bill Gates.

O escritório de mídia de Abu Dhabi divulgou um comunicado alertando o público para ser vigilante sobre esquemas de investimento possivelmente fraudulentos, dizendo que os números do governo só farão anúncios através dos canais oficiais. Um porta-voz do Facebook disse ao The National:

"Afirmar ser outra pessoa no Facebook viola nossos padrões de comunidade e temos uma equipe dedicada a tarefa de ajudar a detectar e bloquear esses tipos de golpes."

Em janeiro de 2018, o Facebook se tornou a primeira grande plataforma de mídia social a banir anúncios relacionados a criptomoedas. A plataforma disse na época que proibiria anúncios que usem "práticas promocionais fraudolentas ou enganosas", ao mesmo tempo em que menciona especificamente ofertas iniciais de moedas (ICO) e criptomoedas. .

Declarações falsas em mídias sociais de figuras famosas são frequentemente usadas para promover esquemas de criptomoedas fraudulentos. No ano passado, scammers mascarados de Elon Musk, fundador da Tesla, promoveram diversos golpes usando bitcoin. Os fraudadores hackearam contas verificadas no Twitter e posteriormente mudaram o nome para Elon Musk, para que usuários desatentos pensassem que o magnata da tecnologia estava promovendo um esquema de investimento em criptomoeda.

No início deste mês, o bilionário holandês John De Mol foi ao ponto de processar o Facebook por anúncios de criptomoedas que usaram sua imagem sem permissão. De Mol afirmou que os consumidores perderam até 1,9 milhão de dólares com os anúncios e que sua reputação foi prejudicada como resultado.