Explorações, hacks, phishing e Ponzi estão crescendo no Ethereum

Em essência, o Ethereum se estendeu sobre o meio de pagamento do Bitcoin, adicionando uma rica linguagem de programação que permite a execução de contratos inteligentes.

Embora esta tecnologia inovadora tenha atraído uma grande quantidade de entusiastas de criptomoeda que tenham tido um grande potencial, também tornou-se o lar do cibercrime de forma significativa.

Como é frequente no caso das novas tecnologias, os hackers o abraçaram e roubaram milhões de dólares nos últimos anos.

O primeiro grande incidente de cibercrime

Muitos entusiastas da criptomoeda recordam o mês de junho de 2016 como o mês do primeiro grande incidente de cibercrime no Ethereum. A rede começou a ganhar impulso quando O Projeto DAO foi anunciado, e a ICO conseguiu levantar US$ 150 milhões.

Tal montante inevitavelmente atingiu o interesse dos hackers que começaram a explorar o código do projeto e, finalmente, encontraram um "bug". Ele foi usado para drenar US$ 74 milhões do total arrecadado, que representa quase 40% do total de fundos da ICO.

Enquanto alguns deles foram recuperados, o incidente soou um primeiro alarme vermelho e exigiu mais segurança e cautela ao lidar com o Ethereum.

O surgimento dos ladrões de Ether

Uma vez que o Ethereum se torna relativamente fácil para os desenvolvedores construir contratos inteligentes complexos e aplicativos autônomos descentralizados (DApps) e, dado o aumento do preço do ETH, tornou-se a plataforma de escolha para essas vendas de token que se tornaram mais populares do que nunca.

"O aumento do cibercrime no Ethereum aumentou em conjunto com o grande financiamento de ICOs, com a receita total de cibercrimas aumentando de US$ 100 milhões em junho para US$ 225 milhões em agosto deste ano".

Fonte: Chainalysis

Não só essas ICOs paralizaram o Blockchain regularmente, mas também há um risco de segurança significativo associado a tais projetos. A Chainalysis estima que, dos US$ 1,6 bilhão investidos nas ICO neste ano, US$ 150 milhões acabaram nas mãos dos cibercriminosos.

Em outras palavras, 10 por cento dos fundos levantados vão parar em mãos erradas. Isso representa aproximadamente 30.000 vítimas, perdendo uma média de US$ 7.500 cada.

Explorações, hacks, phishing e Ponzi

Os cibercrimes comuns no Ethereum podem ser categorizados em quatro categorias: explorações, hacks, esquemas de phishing e Ponzi.

A maior exploração de arrecadação foi o DAO, mas outros US$ 30 milhões foram roubados da carteira Parity em junho de 2017.

Enquanto alguns cibercriminosos optaram por hacks e explorações de alto perfil, o phishing atualmente está gerando mais receita.

Atualmente, ele representa mais de 50 por cento de todas as receitas cibercriminais geradas este ano a frente das explorações que às vezes recebem a maior cobertura na imprensa devido à sua natureza.

Cybercrime

Stolen funds

Number of victims

Phishing

115,000,000

16,900

Exploits

103,000,000

11,000

Hacks

7,400,000

2,100

Ponzi

4,000

260

Total

225,400,000

30,260

Cibercrime - Fundos roubados - Número de vítimas

As estatísticas sobre o cibercrime no Ethereum são possíveis devido à natureza pública do Blockchain que permite a análise e auditoria de transações feitas na rede.

Mais e mais soluções são lançadas para manter as abas nas tendências Blockchain e extrair a inteligência delas.

A tecnologia Ethereum está melhorando, e os desenvolvedores estão escrevendo contratos mais seguros que são tendências positivas. No entanto, proteger os usuários do phishing é uma questão diferente.

O Ethereum Scam Database, que foi criado em 2017 pela equipe MyEtherWallet, identifica e lista regularmente os golpes em andamento, e vale a pena verificar antes de investir em um ICO.


Siga-nos no Facebook