Especialistas: Petro da Venezuela é uma "curtina de fumaça" apoiada por uma entidade centralizada e endividada

A criptomoeda nacional da Venezuela apoiada por petróleo , a Petro (PTR), tem sido duramente denunciada como um “golpe” opaco apoiado por uma entidade centralizada e endividada, informa a Wired hoje, 22 de agosto.

Em meio à hiperinflação desenfreada na economia venezuelana, o presidente Nicolas Maduro introduziu nesta semana uma moeda fiduciária renomeada - o soberano bolívar - que terá cinco zeros a menos que seu antecessor em dificuldade, o Bolívar Fuerte (VEF).

A nova moeda, por sua vez, foi ancorada no Petro, atualmente avaliado em US $ 60 ou 3.600 bolívares soberanos. O plano efetivamente desvaloriza o bolívar (VEF) de 285.000 por um dólar para 6 milhões - uma queda de 96%.

“Eles dolarizaram nossos preços. Eu estou petrolizando salários e petrolizando os preços ”, disse Maduro na televisão estatal a noite na sexta-feira. “Vamos converter o petro na referência que fixa todos os movimentos da economia”.

"Eu sei que quando você transforma o amor em política, milagres podem acontecer", acrescentou. Mas como Jorge Farias, CEO da startup venezuelana Cryptobuyer, disse à Wired:

“Supõe-se que um Petro lhe dê US $ 60 ou 3.600 bolívares soberanos. É supostamente apoiado por barris de petróleo produzidos pela empresa petrolífera nacional PDVSA; a captura: a PDVSA também tem dívidas no valor de US $ 45 bilhões. E na vida real, o Petro, sendo cripto ou não, nem existe. Nós não vimos um único Petro circulando, nem seus contratos inteligentes, nem regras do token, e muito menos seu blockchain.”

Roger Benites, CEO da BitInka, acredita que Maduro está usando a tecnologia blockchain e o Petro como uma “cortina de fumaça” para superficialmente fdistanciar suas ações do período anterior, da falha com a redonimação do ex-presidente Hugo Chávez.

“[A situação] é simplesmente um disparate, apoiando uma moeda fiduciária com uma criptomoeda ligada aos barris de petróleo de uma entidade que tem uma dívida externa que ela não consegue pagar”, disse ele.

Maduro declarou recentemente que o Petro vai servir como uma unidade de conta e já o apresentou como uma panaceia para tudo, de falta de moradia até o desemprego dos jovens. O governo lançou a pré-venda do Petro em fevereiro, e a ICO alegadamente já arrecadou mais de US $ 3,8 bilhões. Como Dickie Armour, da Corre Innovation, disse à Wired:

“Pode ser um golpe, mas um golpe que está funcionando. A questão é - funcionando para quem? Presidente Nicolás Maduro e seus companheiros? Ou o povo da Venezuela? Infelizmente, é mais provável que seja o primeiro.”

Dois outros governos sofrendo de sanções, a Rússia e o Irã - também indicaram que estão considerando os benefícios de criar suas próprias criptomoedas emitidas pelo estado.