Exchanges do Brasil começam a implementar stablecoin construída em Ether e baseada em Real

Diversas plataformas nacionais estão trabalhando na integração de uma stablecoin baseada em Real, segundo informações não confirmada pelas plataformas, as empresas, PagCripto, Nox Trading e Bitcambio, seriam as primeiras a integrar o RealT, uma stablecoin nacional, construída em Ether.

As empresas já estariam trabalhando com a stablecoin em suas mesas de OTC. Traders, brokers e vendedores p2p nacionais também já estão usando a criptomoeda estável supostamente para aliviar o atrito com os bancos.

Além das possíveis integrações, o RealT, já está listado na exchange inglesa CBX.ONE subsidiária da INBlockchain, um dos maiores e mais influentes grupos de investimento em blockchain do mundo, e na Stratum Blockchain Tech, do empresário Rocelo Lopes. Atualmente são cerca de 500 mil unidades do token emitidos

Além do RealT outros dois projetos de stablecoin estão em andamento no Brasil, um deles, é o FBRLT, construído na blockchain da Waves e o outro o BRLT feito em Ethereum.

Como reportou o Cointelegraph a principal bolsa de valores da Suíça, a SIX, pediu ao banco central que emitisse uma stablecoin, para liquidar pagamentos na nova plataforma de negociação de títulos digitais. A exchange teria anunciado durante a conferência Crypto Valley Association nesta semana que os usuários da aguardada plataforma SDX poderam cambiar moeda fiduciária por uma nova stablecoin.

A notícia ainda diz que o banco central da Suíça confirmou que conversa com a SIX sobre opiniões diferentes sobre como "liquidar o lado do caixa” nas negociações, mas nenhuma decisão final foi tomada até o momento.