Membros do Parlamento Europeu e especialistas Blockchain se reúnem para discutir o Regulamento ICO

Membros do Parlamento Europeu, juntamente com especialistas em blockchain, se reuniram na terça-feira, 4 de setembro, para discutir possíveis regulamentações para as Initial Coin Offerings (ICO).

No recente evento da UE intitulado “Regulamentando as ICOs - A Proposta de Crowdfunding é o que estávamos procurando?”, Os participantes examinaram as potenciais complicações atualmente surgindo na indústria da ICO.

Ashley Fox, um membro britânico do Parlamento Europeu, apontou três questões principais a serem consideradas na reunião: os desafios enfrentados pela ICO na obtenção de capital, as abordagens regulatórias existentes sobre o assunto e as perspectivas futuras do setor.

Em seu depoimento, Peter Kerstens, presidente do Grupo de Trabalho da Comissão Européia sobre Fintech, apontou para o “aumento dramático” dos volumes de ICOs em 2018, apesar do crescente número de relatórios sobre projetos fraudulentos. Segundo Kerstens, os números crescentes significam que as ICOs são “instrumentos de veículos muito interessantes e promissores” para levantar capital.

Kerstens enfatizou o fato de que, embora a indústria ICO enfrente problemas semelhantes com outras atividades tradicionais de financiamento, ela ainda é diferente em termos da quantidade de dinheiro que pode ser levantada. Como um grande benefício, Kerstens enfatizou que, embora seja “extremamente difícil levantar milhões de euros para uma startup”, não é “tão difícil” para um projeto da ICO.

Abordando a questão das principais diferenças entre uma ICO e o crowdfunding, Kerstens enfatizou o fato de que os tokens ICO não são “intermediados”, o que significa que não há terceiros entre emissores e investidores, o que constitui o principal motivo de preocupação.

De acordo com Kerstens, a maioria dos aspectos das ICOs “não pode ser coberta por propostas de crowdfunding” devido às múltiplas diferenças entre as indústrias, bem como o status incerto das ICOs como instrumentos financeiros, entre outras razões.

Voltando à questão da regulamentação ICO, o especialista em comunicações globais da Aeternity, Julio Alejandro, forneceu uma “contribuição muito original”, alegando que não há como impedir que um projeto ICO seja criado, exceto pela proibição das bolsas de criptomoedas.

Alejandro alegou que "você pode reclamar, pode chorar, pode acreditar", mas "a única maneira de interromper a criação de um ICO é parar uma bolsa", acrescentando:

“Sempre que você quiser impedir a difusão e a realocação de informações, como você vai parar? Você vai banir USBs, os computadores? O que exatamente você vai proibir? Você está banindo o conhecimento".

Alejandro então enfatizou os benefícios da indústria ICO que são altamente valorizados pela comunidade cripto, como o anonimato da ICO, o caráter sem fronteiras, a transparência mútua e a capacidade de operar sem um intermediário.

Alejandro afirmou ainda que, se qualquer organização centralizada “tentar regular as ICOs em algum sentido”, a indústria se tornaria “obsoleta” de sua perspectiva técnica.

Em 7 de setembro, os ministros de Assuntos Econômicos e Financeiros dos 28 Estados membros da UE devem realizar uma reunião sobre os desafios impostos pelos ativos digitais e a possibilidade de regulamentações mais rigorosas. O evento, que acontecerá em Viena, na Áustria, discutirá as principais questões relacionadas à criptomoedas, como evasão fiscal, financiamento do terrorismo e lavagem de dinheiro.