Mersch, do Banco Central Europeu, diz que bancos devem se "segregar"

O membro do conselho do Banco Central Europeu (BCE), Yves Mersch, disse que os bancos devem "segregar" suas transações em criptomoedas de outras atividades, informou a Reuters em 14 de maio.

A Reuters cita Mersch como tendo preocupações sobre a alta volatilidade dos mercados cripto, enfatizando que os tokens digitais "não se qualificam como dinheiro", e que seus emissores, bem como revendedores, bolsas, bancos ou câmaras de compensação deveriam ser regulamentados.

Mersch noticiou que, mesmo em seu pico de capitalização de mercado em janeiro de 2018 - que Mersch reporta erroneamente como US$432 bilhões ao invés dos US$800 bilhões - o mercado de criptos ainda é pequeno demais para ameaçar a estabilidade financeira. Ele disse, no entanto, que, se as criptomoedas fossem usadas como garantia para empréstimos bancários ou para liquidar negócios em câmaras de compensação, haveria um argumento para que tais atividades fossem "cercadas" de outros negócios e investimentos.

Como observa a Reuters, os bancos europeus regulados pelo BCE não estão atualmente negociando com cripto. Nos EUA, o gigante dos bancos de investimentos Goldman Sachs anunciou recentemente que abrirá uma mesa de criptomoedas "dentro de semanas".

Yves Mersch, do BCE, tem sido um firme crítico da crescente interconexão do setor financeiro tradicional com o espaço da criptomoeda, afirmando que as criptomoedas representam um risco de "contágio e contaminação do sistema financeiro existente" em fevereiro deste ano.

Apesar das preocupações de Mersch - que são compartilhadas por outros como o Augustin Carstens do Bank of International Settlements - o presidente do Conselho de Supervisão do BCE, Daniele Nouy, ​​disse à CNBC em fevereiro que o futuro envolvimento do BCE na regulamentação de cripto seria “ muito, muito baixo ”.

Em março, o BCE e o BIS emitiram uma declaração sobre o Bitcoin, bem como sobre moedas digitais emitidas pelo banco central (CBDCs), dizendo que "não são a resposta para a economia sem dinheiro".

O BCE, no entanto, defendeu o potencial da blockchain para transformar as liquidações de títulos, no contexto do Blockchain Observatory da Comissão Européia, que visa "unir" a economia européia em torno da tecnologia.