Banco Central Europeu: 'sem planos' para moeda digital, demanda por dinheiro está crescendo

O Banco Central Europeu (BCE) não tem "planos" para emitir sua própria moeda digital, disse o presidente Mario Draghi ao Parlamento Europeu na quarta-feira, em 12 de setembro.

Respondendo a uma pergunta do deputado do Parlamento Europeu, Jonás Fernández, Draghi disse que "o desenvolvimento substancial" ainda é necessário na tecnologia por trás das criptomoedas antes que o Banco Central considere usá-las.

"O BCE e o Eurosistema atualmente não têm planos de emitir uma moeda digital do banco central", resumiu:

"Todavia, estamos analisando cuidadosamente as possíveis consequências da emissão de tal moeda como uma adição para o dinheiro em espécie".

Explicando por que nenhum plano estava em andamento no BCE, Draghi chamou a atenção para esses mesmos fatores.

"... As tecnologias que poderiam potencialmente ser usadas para emitir uma moeda digital do banco central [...] ainda não foram exaustivamente testadas e exigem um desenvolvimento substancial antes de poderem ser usadas em um contexto de banco central", disse ele a Fernández, acrescentando:

“Com relação ao banco central administrando contas individuais para famílias e empresas, isso implicaria que o banco central entraria em competição por depósitos de varejo com o setor bancário e levaria os custos operacionais potencialmente substanciais e os riscos”.

Ele acrescentou que atualmente não há "necessidade concreta" de emitir uma moeda adicional dentro da zona do euro, dizendo que a demanda por notas em dinheiro "continua a crescer" na UE28.

Draghi apoia a postura cautelosa que o bloco de 28 membros tem tradicionalmente mantido sobre cripto emitida por banco, em contraste com as ações de países como a Rússia e a China.

No início deste ano, um relatório conjunto do BCE e do Banco de Compensações Internacionais destacou os “efeitos colaterais” de um potencial lançamento de tal moeda, considerando também a necessidade de mais pesquisas antecipadamente.