Banco Central Europeu nega a questão de ignorar as criptomoedas

Em meio a maior conscientização e adoção da Bitcoin, o Banco Central Europeu (BCE), que já avaliou a tecnologia Blockchain várias vezes, parece estar silencioso e distante de todas as novidades e acontecimentos recentes. Ou melhor, este foi o caso até Benoît Cœuré, um membro executivo do Banco Central, quebrar o silêncio, enfatizando que eles não estão ignorando a criptomoeda.

O ECB está observando a cena de criptomoeda

Apesar de a organização não ter poder de regulamentar o Bitcoin, Cœuré compartilhou a posição do banco sobre a criptomoeda em uma entrevista ao Le Journal du Dimanche em 29 de outubro. Ele afirmou que o banco está seguindo o desenvolvimento da criptomoeda, elaborando brevemente suas opiniões sobre o Bitcoin e outras criptomoedas.

No momento, o banco não considera as moedas digitais uma ameaça para o euro. Eles "não representam nenhum risco monetário porque os montantes envolvidos são ínfimos", disse ele.

Bancos centrais em todo o mundo estão monitorando de perto as criptomoedas

Cœuré disse à organização:

"Elas são instrumentos financeiros especulativos que criam riscos de natureza financeira ou mesmo criminal. Os bancos centrais estão seguindo seu desenvolvimento muito de perto porque podem se espalhar muito rapidamente, especialmente em países que estão se afastando das notas e moedas".

Algumas nações, incluindo a Suécia, estão gradualmente se adaptando os pagamentos sem dinheiro e se voltando para criptomoeda ao ponto de deixarem de gastar suas notas físicas e moedas. É por isso que os bancos centrais, em geral, não podem simplesmente ignorar a criptomoeda. Em vez disso, muitos bancos centrais agora as monitoram ativamente.

O membro executivo não foi o único a comentar sobre a criptomoeda nos últimos meses. Em setembro, o vice-presidente do BCE, Vitor Constancio, comentou que a tecnologia Blockchain não é uma "ameaça à política do banco central".

Ele é seguido por outro comentário do presidente do BCE, Mario Draghi, que disse que a organização não tem o poder de regular ou proibir as criptomoedas.


Siga-nos no Facebook