Ethereum Foundation financia trabalho de pesquisadores da Columbia e de Yale sobre linguagem de Smart Contracts

Ethereum Foundation concedeu uma bolsa a pesquisadores das universidades de Columbia e Yale para a compilação de uma nova linguagem de programação para Smart Contracts na Ethereum Virtual Machine (EVM). O desenvolvimento foi anunciado em um comunicado compartilhado com a Cointelegraph em 6 de março.

O beneficiário do subsídio é um projeto de P&D de contratos inteligentes chamado DeepSea, liderado pelo professor Ronghui Gu, professor assistente de ciência da computação na Columbia, em colaboração com pesquisadores de Yale. Gu é também cofundador da empresa de segurança blockchain CertiK, que também é um dos participantes do projeto que arrecadou "vários milhões" em uma rodada de financiamento liderada pela Binance Labs em outubro passado.

A nova doação faz parte do financiamentos da quinta onda da fundação - sob a égide do Programa de Subsídios da Fundação Ethereum - dedicado a apoiar os esforços de escalonamento Ethereum 2.0 e Camada 2.

DeepSea foi nomeado após uma nova linguagem de programação de Smart Contracts, originalmente criada no laboratório de pesquisa do professor Shao, chefe de departamento de ciência da computação da Yale and Gu na CertiK.

Embora o idioma tenha sido inicialmente projetado para a implementação do software do sistema, o comunicado à imprensa observa que os altos riscos que cercam as vulnerabilidades dos contratos inteligentes forneceram um novo ímpeto para estender os “recursos de proteção” do DeepSea para essa arena. Como o professor Gu delineou:

“ Como os contratos [inteligentes] são autoexecutáveis ​​e permanentes, é crucial que esses contratos sejam executados apenas da forma que são precisamente planejados. A linguagem DeepSEA permitirá que os programadores adicionem proteções para garantir que o código esteja de acordo com suas especificações, usando a Verificação Formal.”

Verificação formal refere-se ao "processo de alavancar provas matemáticas para verificar a exatidão da implementação do código" e foi inicialmente implementado no Mars Rover da NASA e em outros sistemas de hardware que o press release caracteriza como "missão crítica".

O processo agora está sendo estendido para uso em sistemas de software, como com a auditoria do CertiK de contratos inteligentes e protocolos blockchain, e pode ser usado para evitar a possível introdução de bugs ao compilar o DeepSea no EVM. 
Conforme relatado em dezembro, o projeto blockchain de código aberto Qtum já concedeu ao laboratório do Professor Gu uma doação de US$ 400.000 para financiar o desenvolvimento do DeepSea.