Recompensa por mineração do Ethereum está na menor taxa já registrada

Novos tokens Ethereum (ETH) sendo gerado através de mineração está em sua menor taxa de sempre, revelam dados da Etherscan em 11 de fevereiro.

De acordo com a Etherscan, em 10 de fevereiro, foram criados 13.370 novos ETH, menos de 20 mil em dezembro de 2018 e um recorde de mais de 39 mil reportados em 30 de julho de 2015. A recente queda acentuada na quantidade de ETH recentemente extraído foi evidentemente causado por um aumento súbito na dificuldade de mineração Ethereum, que dados da Etherscan revelaram em 10 de fevereiro.

Como a Cointelegraph relatou em setembro do ano passado, os desenvolvedores principais do Ethereum decidiram em rua reunião em 31 de agosto de 2018 adiar a chamada “difficulty bomb”, concordando em incluir o código para tal mudança na próxima hard fork, a Constantinople.

A difficulty bomb, também conhecida como “ice age” da Ethereum, é um mecanismo implementado na cadeia Ethereum que torna a mineração de prova de trabalho (PoW) progressivamente mais difícil (aumentando a dificuldade).

A razão para a implementação deste recurso é evitar que os mineradores continuem sua atividade na cadeia após a mudança da Ethereum para um algoritmo de consenso Proof of Stake (PoS). Ainda assim, a implementação de PoS foi adiada várias vezes, e é por isso que os desenvolvedores da Ethereum adiaram a difficulty bomb, apesar das atualizações que planejam fazer com o hard fork de Constantinopla.

Além disso, retardar a ice age também diminui a dificuldade de mineração. Para compensar o processo de mineração mais fácil, Constantinopla também apresentará o chamado "thirdening": uma redução da recompensa para cada bloco mineiro de 3 para 2 ETH.

Tal atualização aumentaria a quantidade que a mineração ETH cunha diariamente, facilitando a criação de novos blocos. Este upgrade está programado para acontecer no bloco 7.080.000, que deve ser extraído em 27 de fevereiro, de acordo com o post no blog Consensys.

Na semana passada, a Fundação Ethereum refutou supostos planos de gastar US$ 15 milhões em potencial no desenvolvimento de Funções de Atraso Verificáveis (VDFs) para uso em sua transição para uma rede de Proof of Stake (PoS).