Estônia revê seu plano de emitir moeda digital nacional

A Estônia suspendeu seu plano de estabelecer uma criptomoeda nacional, o Estcoin, após críticas do presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, e autoridades bancárias locais, informou a Bloomberg em 1º de junho.

O diretor-gerente do programa de e-residência da Estônia, Kaspar Korjus, propôs o desenvolvimento e a emissão do Estcoin em agosto do ano passado. Além de se tornar a moeda virtual nacional da Estônia, o Estcoin evoluiria ostensivamente para a moeda oficial do programa de residência eletrônica do país. No programa, o Estcoin serviria como um incentivo para os estrangeiros que usam a identificação eletrônica da Estônia para assinar documentos e encontrar empresas remotamente.

Draghi disse em setembro: “nenhum Estado membro pode introduzir sua própria moeda; a moeda da zona do euro é o euro”. De acordo com Siim Sikkut, um funcionário encarregado da estratégia de TI do país, o Estcoin será dado apenas como um incentivo aos e-residentes. Sikkut disse em uma entrevista à Bloomberg:

“Concordamos em discussões com políticos de que o Estcoin procederá como um meio para transações dentro da comunidade de e-residente. Outras opções não estão na mesa. Nós não estamos construindo uma nova moeda".

Korjus confirmou as declarações de Sikkut, dizendo que "a comunidade Estcoin" ainda está sendo analisada. Ele acrescentou que o Estcoin "definitivamente não seria uma criptomoeda nacional".

A posição de Draghi foi apoiada pelo governador do Banco da Estônia, Ardo Hansson, que reclamou sobre “relatórios enganosos” em relação ao Estcoin de agências governamentais.

Governos e bancos centrais de vários países têm considerado o potencial das moedas digitais emitidas por bancos centrais ou nacionais. No início deste mês, o banco central da Noruega, o Norges Bank, anunciou que está considerando o desenvolvimento de sua própria moeda digital como um complemento ao dinheiro para "garantir a confiança no dinheiro e no sistema monetário".

O Conselho Federal do Governo da Suíça recentemente solicitou um estudo investigando os riscos e as oportunidades de introduzir sua própria moeda digital apoiada pelo Estado, ou o chamado “e-franc”. Romeo Lacher, o autor da proposta de pesquisa, disse que “um e-franc sob o controle do banco central criaria muitas sinergias - então seria bom para a economia”.