Autoridade tributária da Dinamarca vai recolher dados de três exchahges cripto

A Autoridade Tributária da Dinamarca foi autorizada pelo Conselho Fiscal do país a obter informações sobre todos os negócios de criptomoedas em três exchanges cripto locais. Um anúncio oficial publicado no site da agência informou sobre o desdobramento em 14 de janeiro.

A autorização significa que três exchanges cripto dinamarquesas não especificadas agora têm a obrigação legal de entregar informações de identidade que incluem nomes, endereços e números pessoais de contribuinte, bem como detalhes de todas as transações cripto feitas em suas plataformas entre 1º de janeiro de 2016 à 31 de dezembro de 2018.

A Autoridade Tributária disse que usará as informações para garantir que os cidadãos que negociaram com cripto pagaram devidamente o imposto correto. Karin Bergen, diretora da agência, é citada dizendo que seu novo mandato lhe dará oportunidades completamente novas em relação a seu controle no setor de criptomoeda.

Qualquer informação relativa à identidade e dados de transações de cidadãos estrangeiros e empresas será repassada às autoridades fiscais de seus respectivos países.

De acordo com o anúncio, os primeiros ajustes no tratamento fiscal para casos específicos serão feitos com base nas informações recém-adquiridas e deverão ser enviados antes do verão de 2019. Eles supostamente incluirão se negociações de operadores ou individuais precisarão ser incluídas em seus rendimentos tributáveis ​​declarados.

Bergan afirmou ainda que “sem ir longe demais, acho que se pode dizer que [a cripto] é um grande mercado que precisamos observar mais de perto”.

No mês passado, um artigo publicado pelo The Wall Street Journal (WSJ) aconselhou os investidores americanos a vender e depois recomprar seu Bitcoin (BTC) como uma estratégia para economizar em impostos.

Em julho de 2017, a Receita Federal exigiu que a importante exchange cripto dos EUA Coinbase entregasse informações detalhadas sobre cada um de seus mais de 500.000 usuários, na tentativa de evitar a evasão fiscal. No entanto, uma ordem judicial em novembro de 2017 reduziu esse número para cerca de 14.000 usuários de alta transação, que a plataforma reportou posteriormente como sendo apenas 13.000.

Conforme relatado, os dados divulgados antes do encerramento do ano fiscal anterior indicaram que apenas 0,04% dos declarantes de impostos relatavam ganhos de capital com investimentos em cripto para o IRS.