Liquidador da Cryptopia pede proteção de dados do usuário em tribunal dos EUA enquanto o processo continua

Liquidatários da extinta exchange de criptomoeda neo-zelandesa Cryptopia pediram para proteger os dados armazenados nos Estados Unidos como parte dos procedimentos de reembolso, confirmou uma declaração em 27 de maio.

A Cryptopia, que foi invadida em janeiro, passou meses colaborando com as forças de segurança em todo o mundo em um esforço para controlar os fundos roubados no valor de cerca de US$ 16 milhões.

A exchange indicou Grant Thornton para liderar a liquidação, que confirmou a solicitação de medidas cautelares urgentes no Tribunal de Falências do Distrito Sul de Nova York em 24 de maio.

O pedido solicita ainda que os EUA reconheçam o processo de liquidação na Nova Zelândia.

"Tomamos essas medidas para preservar as informações da Cryptopia que são armazenadas e hospedadas em servidores baseados no Arizona", diz a declaração, que prossegue:

“O pedido provisório preserva os dados da Cryptopia, que incluem um banco de dados SQL contendo todos os detentores de criptomoedas de todos os titulares de conta e os detalhes de contato do titular da conta. Sem essa informação, a reconciliação de participações individuais com as moedas mantidas pela Cryptopia será impossível”.

Como relatou o Cointelegraph, Grant Thornton havia avisado anteriormente que os usuários que esperavam se reunir com seus fundos precisariam esperar meses em vez de semanas, uma posição repetida na declaração.

"Esperamos que o processo de recuperação de dados e determinação de como fazer distribuições para os correntistas leve pelo menos alguns meses", acrescentou a empresa. Ela observou:

“Entendemos que esse atraso será frustrante para os correntistas. Por essa razão, estamos trabalhando para resolver esses problemas assim que for razoavelmente praticável.”

Enquanto isso, observadores têm rastreado o Ether (ETH) roubado, relatando que os hackers o movimentaram entre endereços na semana passada.