Criptomoedas hackeadas da exchange Cryptopia são depositadas em grandes exchanges

A empresa de análise de dados blockchain Coinfirm revelou em relatório grande parte das criptomoedas hackeadas durante o ataque de janeiro de 2019 à exchange Cryptopia foram transferidas para grandes exchanges do mercado de cripto.

Até agora, em um dos hacks mais controversos do ano, a exchange Cryptopia, baseada na Nova Zelândia, perdeu quase todos seus tokens do Ethereum para hackers. A plataforma, após uma falha de segurança em meados de janeiro de 2019, foi vítima de outro ataque no final do mês.

Um relatório da Elementus, empresa de análise de blockchain, revelou que a bolsa perdeu cerca de US$ 16 milhões em tokens ETH e ERC20 no primeiro hack. Dentacoin, Oyster Pearl, DAPS, ML Lisk, Pilar, Mothership, Everus, Coin Enjin, Cappasity, Lina e Bytom estavam entre as moedas roubadas em grande quantidade pelo ataque.

Agora, de acordo com Coinfirm, a maioria das moedas roubadas foram transferidas para grandes exchanges. Um tweet da AMLT Token e Network complementa:

“À medida que a história da #CryptopiaHack continua a se desdobrar, quase todos os tokens chegaram às principais exchanges enquanto o #ETH ainda se encontra em um endereço de hackers de acordo com @Coinfirm_io”

A plataforma publicou a nota junto com uma atualização das moedas Ethereum roubadas pelos hackers. A Coinfirm declarou que 10 ETH das 30.790 moedas roubadas foram transferidos para "grandes exchanges de criptomoedas". No entanto, a Coinfirm não forneceu detalhes sobre as exchanges para as quais esses tokens foram transferidos. Outro tweet ainda dizia:

"O hacker da #Cryptopia acabou transferindo fundos para uma grande exchange de criptomoedas, de acordo com a Coinfirm! O hacker enviou 30790 ETH (~ US$ 7,67 milhões) para um novo endereço desconhecido e, em seguida, enviou 10 ETH (~ US$ 2500) para um endereço de uma exchange que, em seguida, caiu em sua Hot Wallet."

A exchange de criptomoedas hackeada anunciou recentemente uma surpreendente entrada na fase de liquidação por causa do hack. O processo, que seria atendido por Grant Thornton, foi uma surpresa para os clientes da plataforma.

No lado da liquidação, a Cryptopia deixou claro que a investigação para verificar os valores “devidos e disponíveis para retornar aos clientes” levaria meses e que eles não abririam sua plataforma para os serviços de retirada.