Tribunal nega pedido Craig Wright em julgamento no caso Kleiman V. Wright

O juiz Bruce Reinhart negou uma moção de Craig Wright no processo Kleiman versus Wright. Wright aparentemente pediu um julgamento sobre as alegações em um pedido em duas frentes - nenhum dos quais foi encarado com simpatia pelo tribunal.

A corte protocolou sua decisão no dia 15 de Agosto. Conforme declarado no documento do tribunal, Wright apresentou uma petição dizendo que o tribunal não tinha jurisdição sobre o assunto. Wright argumentou também que a propriedade de Kleiman não conseguiu especificar corretamente a cidadania das partes. Estes ataques foram dirigidos à segunda queixa alterada do processo Kleiman contra Wright.

Em sua decisão, Reinhart expôs que ambas as compreensões dependem das alegações de Wright sobre a associação da W & K Info Defense Research - empresa de Kleiman:

“Por seus ataques factuais, o Réu sugere que outros membros estrangeiros da W & K existem e, portanto, a jurisdição é destruída. [...] O Réu também argumenta que o SAC não alega a associação completa da W & K e inclui uma linguagem que revela que o Autor pode estar incerto quanto à propriedade real da empresa. ”

No entanto, Reinhart concluiu que Wright não conseguiu provarsuas afirmações para o ataque factual. Em relação ao ataque facial, Reinhart escreveu em sua decisão:

“O SAC também afirma diretamente que Dave Kleiman era o 'dono único' da W & K. Como tal, o Tribunal conclui que o SAC sobrevive ao ataque facial relacionado com a jurisdição do [...] Tribunal pela própria admissão do Réu, ele não era um proprietário nem um membro da W & K. Assim, qualquer ambiguidade é facilmente dissipada ”.

Uma longa batalha legal

A família do falecido cientista da computação David Kleiman processou Craig Wright, o autoproclamado Satoshi Nakomoto, no início de 2018, por conta de seu suposto roubo dos BTCs de Kleiman.

Como reportado anteriormente pelo Cointelegraph, o desenvolvedor do serviço de mensagens do Bitmessage Jonathan Warren testemunhou recentemente contra Wright no tribunal, alegando que alguns dos documentos apresentados no caso são falsos. Warren argumentou que as comunicações fornecidas por Wright, que pretendiam ser entre ele e Kleiman, eram falsas. Warren disse que “a data foi falsificada ou a captura de tela foi falsificada. [...] Porque o Bitmessage não tinha sido lançado na época em outubro de 2012. ”