Coinbase Custody detém US$ 1,3 bilhão em ativos sob custódia e espera chegar a US$ 2 bilhões 'em breve'

A Coinbase Custody revelou que detém US$ 1,3 bilhão em ativos sob custódia (AUC, na sigla em inglês) e que espera atingir US$ 2 bilhões em AUC em breve. A informação foi publicada em um tópico no Twitter em 13 de junho.

Em uma série de tuítes, que são evidentemente da conta oficial do Twitter da Coinbase Custody, ela informou que na semana passada o CEO da empresa, Sam McIngvale, e seu chefe de segurança de informações, Philip Martin, visitaram o Reino Unido. O objetivo da visita declaradamente foi “discutir a criptoeconomia institucional com um leque de prospectos e clientes”.

Durante a reunião, os representantes da empresa argumentaram que, embora muitos acreditem que não haja ofertas de nível institucional no espaço de criptomoeda, a Coinbase Custody é, na verdade, uma oferta desse tipo. Os representantes da empresa afirmaram que a companhia é segurada, regulada e protegida em custódia. O tópico também especifica:

“Temos US$ 1,3 bilhão em AUC e esperamos atingir US$ 2 bilhões em breve. Não temos intenção de parar por aí. [...] A Coinbase Custody atende mais de 90 clientes. Destes, aproximadamente 40% estão fora dos EUA”.

Por último, o tuíte também afirma que - à medida que as criptomoedas amadurecem como uma classe de ativos - os centros financeiros, como Londres, estão se tornando centros de inovação em cripto.

Durante uma discussão no palco do Consensus em meados de maio, Brian Armstrong, CEO da Coinbase, disse que seu serviço de custódia já havia recebido US$ 1 bilhão em ativos sob gestão.

Como a Cointelegraph informou em março, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA está solicitando informações do setor, uma vez que reconsidera potencialmente as regras de custódia existentes em casos específicos de negociação e liquidação de ativos digitais.

Em abril, o BC Group, empresa de gestão de ativos e negócios de Hong Kong, anunciou que está lançando um serviço de custódia segurado para criptomoedas.