Usuários da Claro podem carregar créditos no celular usando criptomoeda 'minerada na nuvem'

Usuários da Electroneum, poderão converter tokens ETN em créditos para chamadas telefônicas e pacotes de dados na operadora Claro, segundo um comunicado de imprensa compartilhado com a Cointelegraph em 07 de agosto.

Segundo o comunicado a companhia de criptomoedas escolheu o Brasil para dar próximo passo rumo à adoção em massa de suas aplicação que concede recompensa de US$ 3 por mês para usuários em uma espécie de “mineração mobile em nuvem” por meio de um protocolo único conhecido como Prova de Responsabilidade (PoR).

Visando esta expansão a empresa anunciou uma parceria que possibilita que as recompensas de usuários brasileiros na altcoin possam ser trocadas por crédito e pacotes de dados da operadora Claro.

“Isso marca uma nova era para nós e para a indústria de criptomoedas em geral. Estamos investindo em talentos e P&D (pesquisa e desenvolvimento) para liderar o caminho na adoção em massa. Já temos um case de sucesso na África do Sul e agora queremos trilhar o mesmo caminho no Brasil e em outros países que serão anunciados ao longo de 2019”, afirmou Richard Ells, CEO da empresa.

O Brasil teria despertado a atenção da ETN não apenas pela sua população de mais de 200 milhões de habitantes, mas também por ser um país jovem – a média populacional é de 32 anos e ocupar o quinto lugar no ranking global de posse de criptomoedas.

Segundo o comunicado, outra particularidade que chamou a atenção sobre o mercado brasileiro é o fato de existirem mais de 230 milhões de smartphones em uso no país, mais de 1 por habitante, de acordo com dados da FGV. Além disso, estatísticas do Banco Mundial mostram que 25% da população vive abaixo da linha da miséria e esse é o mesmo contingente de pessoas que não possuem contas em banco.

“O Brasil tem as condições ideais para a expansão da nossa comunidade, que já conta com mais de 3,1 milhões de pessoas. É somente o início da nossa expansão para os países em desenvolvimento”, explica Ells.

Recentemente a empresa anunciou seu próprio smartphone que pode ser comprado por US$ 50 e, segundo a empresa, foi projetado para as necessidades das pessoas nas regiões em desenvolvimento.

Como reportou o Cointelegraph, a gigante sulcoreana de tecnologia Samsung anunciou o lançamento de seu Kit de Desenvolvimento de Software (KDS) para blockchain e aplicação descentralizada (DApp).

Segundo o anúncio, o Samsung Blockchain SDK permite a gestão e o backup de contas, pagamento e a facilitação de assinaturas digitais, além de suporte à Samsung Keystore e para carteira fria. A página dedicada ao KDS também explica que ele é um 'superset' de todos os kits de desenvolvimento de software da empresa, incluindo o Samsung Blockchain Keystore SDK.