Gigante chinesa dos transportes vai explorar blockchain para financiamento de cadeia de suprimento

A China Shipbuilding Industry Company Limited (CSICL) vai explorar como pode aplicar a blockchain para financiar seus fornecedores a montante, reportou o jornal oficial chinês Diário do Povo em 27 de março. A CSICL é uma subsidiária de um dos dois maiores conglomerados de navegação chineses, a China Shipbuilding Industry Corporation (CSIC).

A CSICL assinou um acordo de cooperação estratégica sobre serviços de cadeia de suprimentos com o Shanghai Bank. Pelos termos do contrato, o CSICL e o Shanghai Bank pretendem desenvolver uma plataforma de financiamento de cadeia de fornecimento on-line baseada em blockchain para fornecedores de upstream do CSIC.

A plataforma forneceria ostensivamente financiamento para as cadeias de suprimento que atendem as 10 principais seções do produto: engenharia marítima, baterias de armazenamento, construção naval, turbocompressores, maquinário de tabaco, motores a diesel, grandes estruturas de aço, máquinas portuárias, medidores de gás e sistemas de distribuição de automação.

De acordo com o Diário do Povo, o recente acordo é parte do plano do Shanghai Bank para melhorar os processos de negócios usando novas tecnologias. Em outubro do ano passado, o Banco de Xangai lançou o Uplink e-Chain - uma plataforma de serviços financeiros on-line para pequenas e médias empresas.

A tecnologia Blockchain tem sido amplamente aplicada em toda a indústria naval e em várias cadeias de suprimentos. Em janeiro, a maior empresa de transporte de cargas de Israel, a Zim, abriu uma plataforma blockchain para contas eletrônicas de embarque para todos os clientes em operações selecionadas.

Em fevereiro, a empresa de logística naval russa Infotech Baltika desenvolverá um sistema de operação portuária baseado em blockchain apelidado de Edge.Port em parceria com a startup blockchain baseada em Moscou, a Iconic.

No início de março, o governo de Cingapura anunciou que iria seguir adiante com um projeto piloto de sua plataforma TradeTrust, uma plataforma de comércio marítimo baseada em blockchain. O piloto segue um Memorando de Entendimento de janeiro assinado pela Autoridade de Desenvolvimento de Mídia da Infocomm de Cingapura, Autoridade Portuária Marítima, Alfândega de Cingapura e Associação de Navegação de Cingapura.