China deve considerar lançamento de seu próprio stablecoin, diz especialista do banco central em um artigo de opinião

O governo chinês deveria considerar o lançamento de seu próprio stablecoin apoiado pelo yuan, apesar da atual proibição de criptomoedas, disse um artigo de opinião publicado na revista financeira chinesa CN Finance na terça-feira, 9 de outubro.

Um especialista do Banco Popular da China (PBoC), Li Liangsong, e o professor da Universidade de Fudan, Wang Huaqing, escreveram um artigo chamado "Análise de stablecoins digitais" para CN Finance — uma revista bimestral afiliada ao PBoC.

No artigo de opinião, os autores fornecem uma breve revisão das moedas apoiadas em USD, como o Tether, Gemini Dollar e Paxos Standard. Os pesquisadores esperam que eles aumentem o papel do dólar em um cenário global e suprimam outras moedas fiduciárias, o yuan entre eles.

Os autores sugeriram que a China analisasse a experiência de outras empresas e “dobrasse seus esforços” para criar um stablecoin local. No entanto, outras moedas digitais têm que permanecer proibidas na China, afirmaram.

Recentemente, os stablecoins tveiram um boom com o lançamento de duas moedas apoiadas em USD nos EUA em setembro.

Os gêmeos Winklevoss, fundadores da plataforma de negociação de cripto Gemini, obtiveram permissão dos reguladores de Nova Iorque para liberar seu próprio stablecoin, o Gemini dollar. Mais tarde, a Circle — por meio de um consórcio que inclui a Bitmain — anunciou que está lançando um token digital com o nome do dólar denominado “USD Coin”.

Pouco depois, a gigante de auditoria PricewaterhouseCoopers (PwC) afirmou parceria com a plataforma de empréstimos descentralizada Cred para oferecer sua expertise no lançamento de sua moeda apoiada em USD, especialmente em termos de transparência e “fundamentação”.

O governo chinês iniciou sua campanha anti-cripto em 2017, fechando todas as casas de câmbio de criptomoedas do país e banindo as ofertas iniciais de moeda (ICO). Após a ação, o PBoC várias vezes avisou os cidadãos sobre os riscos do comércio de cripto.

Apesar da proibição de cripto, o país tem explorado ativamente soluções de blockchain. No início deste outono, o PBoC anunciou que sua plataforma de negociação e finanças blockchain está sendo lançada em Shenzhen. O ecossistema também está sendo testado em Guangdong, Hong Kong e na Área da Baía de Macau e está sendo desenvolvido para o comércio transfronteiriço. Mais tarde, a zona piloto blockchain oficial do país foi estabelecida na província de Hainan dentro de um parque tecnológico dedicado.