China proíbe promoção relacionada à cripto no distrito de Chaoyang em Pequim

A China proíbe que todos estabelecimentos comerciais hospedem eventos relacionados à criptomoeda no distrito de Chaoyang em Pequim, informou o jornal local The Paper em 22 de agosto.


Official notice issued by local financial and social risk prevention and control authorities

Aviso oficial emitido pelas autoridades locais de prevenção e controle de riscos financeiros e sociais. Fonte: The Paper

Muitos supostamente acreditam que a proibição, primeiro coberta por um aplicativo de notícias local conhecido como Jwview, poderia ser estendida também a outros distritos, de acordo com correspondentes da Cointelegraph na China. Os correspondentes notaram ainda que a mídia chinesa relatou, de forma conflituosa, que a proibição se aplica — e não se aplica — a outras áreas em Pequim.

Como informa o The Paper, o novo aviso proíbe que todos os espaços públicos do distrito — incluindo shoppings, hotéis e prédios de escritórios — hospedem qualquer forma de promoções relacionadas à cripto. Entre as razões dadas para justificar as medidas, o aviso cita a “proteção dos direitos de propriedade pública”, “prevenção da lavagem de dinheiro” e a defesa da “segurança e estabilidade do sistema financeiro”. Membros do público são intimados a sair para denunciar qualquer violação da nova proibição.

Como relatou a Cointelegraph Japão, as restrições no distrito de Chaoyang se cruzam com uma ampla gama de medidas direcionadas a canais de comunicação ou "lacunas" através das quais investidores chineses podem obter acesso a ofertas iniciais de moedas (ICO) ou atividades relacionadas a cripto.

Segundo o Shanghai Securities Times, o Escritório Nacional de Retificação de Riscos da China já identificou 124 plataformas de cripto com endereços de IP no exterior e pretende bloquear o acesso a seus serviços. Ações restritivas também estão sendo tomadas contra as plataformas de negociação de cripto e ICO, incluindo suas contas públicas de mídia social relacionadas.

Como a Cointelegraph reportou em 21 de agosto, a principal plataforma de mídia social da China, o WeChat, bloqueou permanentemente uma série de contas relacionadas a cripto e blockchain que eram suspeitas de publicar ICO e o "hype" de comércio cripto em violação das novas regulamentações introduzidas no início deste mês.

Em um email compartilhado com a Cointelegraph, o Coindaily — que afirma que seu canal oficial do WeChat tinha mais de 100.000 usuários em junho de 2018 — confirmou que “cerca de oito influentes contas oficiais do WeChat relacionadas à criptomoeda foram permanentemente banidas”, entre elas Coindaily, Huobi News e Instituto de Pesquisa Huobi, Jinse.com, BiShiJie News Flash, deepchain, TokenClub, CoinDaily, Wujie Blockchain e Dapao.

A CT Japão informa ainda que novas medidas estão sendo tomadas para endurecer a “limpeza” de canais de pagamento de cripto de terceiros, incluindo aqueles usados por plataformas de balcão (OTC). Funcionários do Escritório de Remediação Especial de Riscos Financeiros na Internet da China terão reuniões e entrevistas com instituições de pagamento de terceiros e ordenarão que eles parem com qualquer transação relacionada à criptomoeda.

A China vem reforçando os regulamentos de cripto desde setembro de 2017, quando proibiu tanto ICOs quanto casas de câmbio Bitcoin (BTC) para fiduciário. Em janeiro, os reguladores locais anunciaram planos para estender a proibição a plataformas de “criação de mercado” e serviços semelhantes, “bloqueando o acesso doméstico a plataformas domésticas e offshore que possibilitam o comércio centralizado”.

Em fevereiro deste ano, a China adicionou casas de câmbui de criptomoedas no exterior e sites de ICO ao Great Firewall, no mesmo mês em que anúncios relacionados a cripto foram removidos do mecanismo de busca chinês Baidu e da plataforma de mídia social Weibo.

Com reportagem adicional de Marie Huillet.