CEO de empresa de mineração indica cinco fatores-chave para minerar Bitcoin

Bijan Alizadeh, fundador e CEO da Block One Technology, empresa especializada em mineração de Bitcoin, destacou, durante o WDMS 2019, fatores que ele considera fundamentais antes de iniciar mineração de BTC.

Segundo ele, a mineração de Bitcoin é uma indústria que "requer uma análise minuciosa" e que "qualquer deslize pode ser determinante para o sucesso ou o fracasso" da empreitada: 

“Primeiro, a escolha de máquinas de mineração: com o halving a escolha de máquinas de mineração é fundamental qualquer máquina de mineração que consome mais de 25% de sua produção não é lucrativa."

O especialista em mineração apontou outros fatores que eles considera essenciais: 

"Segundo: os prazos de entrega das máquinas de mineração. Terceiro, o custo da eletricidade - e este é o fator mais importante. Se os custos de eletricidade flutuam, a mineração pode facilmente se tornar inútil."

E prossegue, com mais alguns ítens:  

"Quarto: clima, outro fator muito importante. Há uma escolha entre o resfriamento natural em climas mais frios ou resfriamento artificial em climas mais quentes, é preciso ponderar isso com o custo da energia. Além disso outra opção é o resfriamento por imersão, que podem ter um efeito positivo na vida útil do equipamento e, portanto, também aumentar o retorno e pode ser usado em climas quentes e frios. E em quinto: a movimentação de equipamentos de mineração é cara, por isso faz sentido escolher cuidadosamente onde instalar, a fim de evitar altos custos de transporte ou danos às mercadorias.”

Bijan Alizadeh também afirmou que, em sua opinião, "está comprovado que as criptomoedas se tornaram uma nova classe de ativos independentemente do que pensem os reguladores".

Como noticiou o Cointelegraph, segundo uma nova atualização no Balanço de Pagamentos do Brasil, a atividade de mineração de criptomoedas passou a ser considerada como processo produtivo.

“O Brasil tem sido importador líquido de criptoativos, o que tem contribuído para reduzir o superávit comercial na conta de bens do balanço de pagamentos", disse o Banco Central do Brasil.