O Banco Central do Irã planeja uma revisão abrangente da política de criptomoeda

O Banco Central do Irã planeja realizar uma revisão abrangente de suas políticas cobrindo o Bitcoin e outras criptomoedas. O movimento foi feito depois que o banco central do governo anunciou que está suavizando sua posição nas moedas virtuais.

Em uma coletiva de imprensa na metade de novembro de 2017, Naser Hakimi, vice-diretor de tecnologias novas do Banco Central do Irã, anunciou que o banco central estuda o Bitcoin e planeja examinar suas políticas sobre moedas digitais. Ele, no entanto, emitiu um aviso aos investidores sobre a "incerteza" e "risco" que poderiam enfrentar no mercado de criptomoeda.

"Dado que o Bitcoin e outras moedas não foram introduzidas pelo banco central como moeda oficial, bem como o risco de comprá-la e a atividade dos comerciantes neste campo, mais precauções estão entrando no mercado por causa da possibilidade de malícia".

No início de 2017, o Financial Tribune informou que Hakimi se referiu ao Bitcoin como uma "oportunidade" que deveria ser explorada pelo governo iraniano. Ele afirmou então que o Bitcoin e outras moedas digitais podem ser usados por comerciantes que não conseguiram abrir linhas de crédito devido a problemas bancários.

Desdobramentos de criptomoeda no Oriente Médio

Além do Irã, outros países da região do Oriente Médio estão lidando com moedas virtuais. Em outubro, o presidente do Banco Central do Líbano afirmou que o governo libanês está planejando apresentar sua própria moeda digital. Não está claro, no entanto, se a criptomoeda for baseada na tecnologia Blockchain.

Enquanto isso, o chefe do banco central dos Emirados Árabes Unidos (EAU), Mubarak Rashed Al Mansouri, criticou a falta de supervisão e regulação de Bitcoin. Ele afirmou que a não supervisão da principal criptomoeda facilita seu uso na lavagem de dinheiro e no financiamento do terrorismo.