Operadora canadense de terminais junta-se a Maersk e TradeLens da IBM

A Global Container Terminals (GCT), operadora de terminais de contêineres na América do Norte, juntou-se à Maersk e à plataforma blockchain de transportes da IBM, TradeLens.

Quatro terminais do Canadá e dos EUA aderem à plataforma

Como parte da iniciativa, a GCT, com sede em Vancouver, vai implementar a plataforma blockchain de forma gradativa nos quatro terminais em que opera, conforme anunciou a empresa em comunicado de 17 de outubro.

A GCT deseja usar a plataforma para melhorar a visibilidade na cadeia de suprimentos de carga nas costas leste e oeste da América do Norte.

A plataforma estabelecerá uma interconexão segura entre todos os membros da cadeia de suprimentos, incluindo transportadoras marítimas, proprietários de cargas e ferrovias. Além de dois terminais canadenses, o GCT Vanterm e o GCT Deltaport, que é o maior terminal marítimo do Canadá, a GCT também opera o GCT Bayonne em Nova Jersey e o GCT em Nova York.

TradeLens possui cinco das maiores transportadoras oceânicas

Lançada no verão de 2018, a TradeLens agora reúne cinco das seis maiores transportadoras marítimas do mundo e dez dos maiores clientes das transportadoras marítimas da GCT também estão comprometidos com a plataforma, como destacou a TradeLens em um anúncio datado de 17 de outubro. Em setembro de 2019, a plataforma já havia reunido mais de 100 organizações e 55 portos e terminais, como noticiado oficialmente pela Maersk.

Em maio de 2019, a TradeLens adicionou duas grandes empresas de transporte global, a Mediterranean Shipping Co, com sede na Suíça, que é a segunda maior empresa de transporte do mundo, e a francesa CMA CGM, dita quarta maior empresa de transporte de contêineres do mundo. No final de agosto, o Departamento de Alfândega da Tailândia anunciou oficialmente seus planos de usar as TradeLens para rastrear a remessa nos portos tailandeses.