Exchange canadense CoinPayments rebate acusações e diz que seus serviços não foram utilizados para financiar terrorismo

A exchange canadense CoinPayments negou as acusações de que sua plataforma tenha sido usada para financiamento terrorista. A notícia ganhou as manchetes novamente depois que um relatório da empresa blockchain de inteligência Whitestream afirmou que as doações de Bitcoin ao ISIS aumentaram um dia antes do atentado no Sri Lanka, que matou cerca de 253 civis.

O relatório afirmou que a empresa de inteligência blockchain notou que houve um aumento "de centenas de por cento no saldo do Bitcoin" mantido pela plataforma de criptomoedas canadense CoinPayments.

O portal alegou ainda que o grupo militante converteu moeda fiduciária para Bitcoin através da exchange e que os ativos de carteira Bitcoin da plataforma aumentaram de US$ 500.000 para US$ 4,5 milhões [saldo médio diário mensal], um dia antes do ataque à bomba no Sri Lanka. Além disso, o portal também afirmou que o saldo caiu de volta ao seu valor original no dia do ataque.

Além disso, a "empresa de inteligência blockchain" alegou que a CoinPayments "admitiu que sua carteira estava envolvida, mas nega que estivesse conectada ao ISIS". Ela também teria confirmado que esta não foi a primeira vez que a CoinPayments se envolveu em um caso semelhante a este, acrescentando que anteriormente a exchange canadense já teve seus serviços vinculados ao Hamas - uma organização fundamentalista sunita-islamita palestina:

“As organizações terroristas têm o hábito de explorar plataformas comerciais não regulamentadas e trabalhar através delas. A Whitestream trabalha com o Conselho Nacional de Combate ao Terrorismo do Ministério da Defesa de Israel para impedir essas transferências de dinheiro. ”

O portal ambcrypto.com ouviu a CoinPayments sobre a autenticidade do relatório e a posição da empresa sobre as transações e acusações. A plataforma rebateu as alegações feitas pela Whitestream, declarando que não forneciam serviços de troca de criptomoedas por moedas fiduciárias . Eles também negaram fazer qualquer comentário sobre o assunto, completando:

“Atualmente, não fornecemos nenhuma moeda virtual para serviços de troca fiduciária, nunca fizemos esses comentários para a Whitestream e estamos atualmente revisando todas as possíveis soluções legais disponíveis para nós. Com base em nossas revisões contínuas de conformidade das contas de usuários atuais, nossos serviços não foram usados pelo ISIS. Qualquer declaração ou alegação nesse sentido é falsa e constitui difamação e / ou calúnia.”

A exchange ainda completou: “Iniciamos uma ação legal contra o Whitestream, pois as informações que publicaram e forneceram são imprecisas e falsas. A CoinPayments não estava envolvida na prestação dos serviços mencionados anteriormente. Não fomos contatados por nenhum outro meio de comunicação ou por qualquer pessoa que tenha publicado o conteúdo.”

Em outras notícias ligadas ao tema, por outro lado, segundo um relatório recente da RAND Corporation diz que as criptomoedas não estariam mais sendo utilizadas para financiamento de atividades terroristas.