Construindo Blockchains  - Modelo maduro para o problema do agente principal

A teoria da gestão, em termos gerais, trata da relação entre gerentes e entidades empresariais. O problema do agente principal é inerente a este relacionamento. Este problema surge porque os interesses de um gerente (agente) podem — e muitas vezes — divergem dos interesses dos proprietários do negócio (principal) que ele ou ela está gerenciando.

Incentivo de gerenciamento clássico: a cenoura e a vara

As organizações empresariais atenuam o problema do agente principal por meio do uso de jogos de incentivo que melhor alinham os interesses dos administradores e empresários.

Exemplo 1 (jogo baseado em recompensas): um gerente é incentivado a gerar receitas para uma empresa porque esta é uma métrica de desempenho que influenciará sua remuneração. As receitas também beneficiam o negócio e os seus proprietários aumentando o valor patrimonial de uma empresa (beneficiando os acionistas), permitindo que a empresa pague dívidas (beneficiando credores), permitindo que os empregados sejam pagos em dia, etc.

Exemplo 2 (jogo baseado em dissuasão): um gerente é impedido de agir de forma que incorra em risco excessivo e responsabilidade para os proprietários do negócio. Uma forma como isso é alcançado é através de mecanismos legais, como a responsabilidade indireta ou "furando o véu corporativo". O primeiro pode permitir que um gerente seja responsabilizado diretamente por lesão ou conduta ilegal de seu empregado; Este último pode permitir que um gerente seja responsabilizado pessoalmente e exclusivamente no contexto da fraude, etc.

Eu arriscaria dizer que o "empilhamento da organização de negócios" moderno é construído com base em centenas de diferentes jogos de incentivos de recompensa e dissuasão, cada um participando de forma coletiva estabelecendo um equilíbrio de Nash entre os "jogadores" dentro de uma empresa (ou seja, gerentes e proprietários). Esses jogos são prevalentes em todas as camadas da pilha — por exemplo, estruturas de remuneração, políticas de recursos humanos, políticas de governança, leis e regulamentos etc. — e cada jogo fornece "controles e contrapesos" para o problema principal-agente que é fundamental para a viabilidade da organização.

Entre no "Modelo de negócio criptoeconômico"

Com o advento dos ativos baseados em Blockchain — e o influxo exponencial de capital na indústria Blockchain nos últimos anos — testemunhamos o nascimento de um novo modelo de negócios. Este modelo permite que as empresas ganhem dinheiro de novas maneiras através da criação de protocolos de código aberto e códigos (um serviço inestimável para o qual nos baseamos no altruísmo, e não na motivação de lucro, de desenvolvedores a fornecer).

Refiro-me a isso como o modelo de negócios criptoeconômico. Isso pode ser definido como qualquer modelo de negócio baseado no lucro, construindo um sistema criptoeconômico, ou seja, uma rede criptográfica peer-to-peer que funciona no fornecimento de pagamentos de incentivo a (pretensos) nós adversos. Praticamente todos os Blockchains públicos/sem permissão hoje são "sistemas criptoeconômicos" por essa definição.

O modelo de negócio criptoeconômico perturba o equilíbrio clássico do agente principal, que muitas vezes é alcançado usando os jogos de incentivos de recompensa e dissuasão. Isso é feito através da introdução de uma classe inteiramente nova de partes interessadas no ecossistema — a rede de Keepers de um Blockchain (por exemplo, detentores de token e outros participantes que proveem uma forma de "trabalho remunerado" na rede, como validadores, mineradores, etc.)

Se o negócio tradicional tem duas classes de jogadores (gerentes e proprietários), o negócio criptoeconômico tem três (gerentes, proprietários e Keepers).

Esses novos participantes complicam o modelo da teoria do jogo porque, agora, em vez de atuar apenas em nome dos proprietários, há dois conjuntos de partes interessadas (proprietários e depositários) cujos interesses dependem dos esforços de um gerente. O que acontece quando os interesses desses diferentes setores de interesses divergem? Sob qual interesse (ou dever) um agente poderia ser motivado a agir?

Modelo de negócio criptoeconômico: (retângulo preto) Modelo tradicional de negócio - (verde) proprietários, (vermelho) gerentes / (retângulo amarelo) Modelo de negócio criptoeconômico - (verde) proprietários, (preto) keepers [validadores/mineradores], (vermelho) gerentes

Eventos de oferta de token e o risco de divergência/diluição

A criação de valor em um modelo de negócios tradicional é diferente da criação de valor em um modelo de negócios criptoeconômico.

Em um negócio tradicional, o marco final do sucesso é alcançar a rentabilidade. Os gerentes são incentivados a alcançar a lucratividade e então, a aumentar a lucratividade, porque os frutos desse trabalho acumulam 100% para a entidade comercial que beneficia tanto os proprietários quanto os gerentes. Bastante simples.

Este não é exatamente o caso de um modelo de negócio criptoeconômico. No começo do ciclo de vida do negócio criptoeconômico, cada marco beneficia os gerentes e os proprietários coletivamente — mas no marco do evento de oferta de token de uma empresa (nota: porque o termo 'ICO' é um faux pas), há uma mudança fundamental.

A criação de valor já não é acumulada para a entidade comercial, mas diretamente para o produto/saída desse negócio (ou seja, o sistema criptoeconômico)

Em um modelo de negócio criptoeconômico, o marco final não é a rentabilidade por si só, mas no valor da rede/token Blockchain, que a escolaridade recente sugere que possa ser medida como o value de utilidade atual de um token (“CUV”) e o valor de utilidade esperado com desconto (“DEUV”). O CUV/DEUV entra em jogo imediatamente após o marco do evento de oferta de token, em simultâneo com a introdução dos Keepers no conjunto de partes interessadas.

Este ponto é ilustrado abaixo:

Cryptoeconomic Business

Criação de valor por marco - Negócio criptoeconômico: Mantenedores do negócio (gerentes & proprietários) - Mantenedores da rede (Keepers) - Levantamente de capital de semente, Levantamente de capital de Série A, Evento de oferta de tokens-CUV/DEUV - Tempo

COLOCADO EM DUAS TABELAS

Criação de valor por marco - Negócio tradicional: Mantenedores do negócio (gerentes & proprietários) - Levantamente de capital de semente, Levantamente de capital de Série A, Fluxos positivos de caixa, Lucratividade

Então, como isso impacta nosso pensamento sobre incentivos gerenciais?

A observação imediata é que os gerentes e os proprietários só se beneficiarão com o trabalho de aumentar o valor de uma rede, na medida em que eles retenham alguma quantidade de tokens nativos dessa rede. Na prática, esse valor pode ser no intervalo de 20 a 50% para a entidade comercial, o que é considerável, mas significativamente menor do que o modelo de retenção de valores de 100% de um negócio tradicional.

Em teoria, os gerentes têm 'skin in the game' em virtude dessas participações token e devem ser motivados a impulsionar o crescimento de CUV/DEUV do token com a expectativa de vender esses tokens retidos para lucro em algum momento posterior. Esse resultado seria ideal, pois implica em um alinhamento entre os interesses de gerente-proprietário-keeper.

Mas o problema é que a diluição da retenção de valor de 100% (em um modelo de negócio tradicional) para uma retenção de valor de mais ou menos 20-50% (em um modelo de negócio criptoeconômico) também pode diluir a motivação de um gerente de criar valor de longo prazo para a rede. Sem suficientes jogos de recompensa/dissuasão em disputa, os gerentes são propensos a casos de risco moral e pensamento míope.

É plausível, por exemplo, que isso possa resultar em algum grau de fricção entre o motivo de lucro dos gerentes, o que incentiva um gerente a manter uma parcela significativa dos tokens para o core business e os interesses dos outros Keepers/detentores de token que se beneficiam da distribuição desses tokens de forma mais ampla, criando assim efeitos de rede que poderiam aumentar o CUV/DEUV do token. Este seria um exemplo de desalinhamento entre os interesses do gerente-proprietário-keeper.

Outros desafios na motivação gerencial do bloco pós-gênese

Outro desafio deve-se ao fato de que os modelos de receita (ou seja, "busca de renda") podem não ser viáveis em sistemas criptoeconômicos. Se um gerente extraísse lucro/receita de uma rede, codificando uma taxa centralizada* em um protocolo ou dApp (ou seja, qualquer tipo de taxa de transação que remeta valor de volta ao negócio), um resultado provável é que o protocolo ou dApp seria ou : (I) não obter a adoção, ou (II) sofrer um hard fork por usuários (ou duplicados por um concorrente) para remover a taxa de sua base de código, tornando a rede mais econômica.

*Nota: Para esclarecer o meu ponto em taxas centralizadas, certas plataformas usam modelos de taxas sustentáveis como uma característica do design criptoeconômico da plataforma (por exemplo, Factom e Counter-Party, onde uma parte das taxas é queimada para aumentar a escassez do token) . Além disso, à medida que os casos de uso para dApps/protocolos continuam a proliferar, as taxas centralizadas podem ser um modelo comercial aceito para certas aplicações da tecnologia Blockchain.

Aqui estão algumas das outras ramificações desse desafio:

  1. Lucro antecipado; criando valor mais tarde: os criadores de redes criptoeconômicas (atualmente) realizam valor para a entidade comercial principalmente por meio de dois fluxos: (I) o produto de eventos de oferta de token e (II) a retenção de algum montante dos tokens oferecidos. Ambos os marcos ocorrem relativamente cedo no ciclo de vida de uma empresa. Dado que a maioria da remuneração/lucro do gerente é overhyped, a experiência mostrou que alguns gerentes optaram por simplesmente completar um evento de oferta de token antes de "pular do navio" para o próximo projeto, em vez de trabalhar para gerar valor para o projeto atual .
  2. O CUV/DEUV é um indicador ruim da competência gerencial: talvez ainda não possamos ter as melhores ferramentas para avaliar o desempenho gerencial em modelos de negócios criptoeconômicos. As CUV/DEUV são métricas inerentemente diferentes do lucro por ação, EBITDA, retorno sobre o patrimônio, etc. (estas são algumas das ferramentas usadas para avaliar o desempenho do CEO em um negócio tradicional). O CUV/DEUV é impulsionado pela oferta e demanda; mais adequado para valorizar uma mercadoria do que o patrimônio. Avaliar o desempenho de um gerente no CUV/DEUV de um token é semelhante à avaliação do desempenho de um executivo de uma empresa de ouro baseando-se no preço do ouro.
  3. A falta de mecanismos legais para proteger os Keepers/detentores de token: existe um elaborado corpo de leis corporativas, de valores mobiliários e de trabalho projetadas para resolver o problema do agente principal entre os participantes em estruturas comerciais tradicionais (por exemplo, responsabilidade indireta, "furar o véu corporativo", "deveres fiduciários dados pelos diretores aos acionistas, etc.). Essas proteções não existem (ainda) para o Keepers/detentor do token de sistemas criptoeconômicos. Concedido, há um mecanismo de mercado livre em jogo, em virtude da capacidade dos Keepers de conquistar um protocolo em retaliação à má administração, mas essa revisão só deve ser usada como último recurso.
  4. Eventos de oferta de tokens singulares: para as start-ups tradicionais, o processo de arrecadação de capital ocorre em parcelas (por exemplo, semente, série A, série B, etc.) e cada parcela é largamente ligada à capacidade de um gerente de demonstrar o progresso em direção à rentabilidade desde a tranche anterior. As ofertas de token — por outro lado — são principalmente estruturadas como eventos singulares. Esta estrutura alivia a pressão externa muito necessária sobre os gerentes para entregar na construção de seus produtos no prazo e no orçamento. Também não consegue suportar perdas para os investidores no caso de um gerente não entregar.

Estes são apenas alguns exemplos de como o problema do agente principal pode se manifestar no contexto de novos modelos de negócios criptoeconômicos — cada um dos quais acabará por ser resolvido por novos jogos de incentivo projetados para o ambiente tripartite (ou seja, gerente-proprietário-keeper).

Eu suspeito que o estudo da teoria da gestão no contexto dos modelos de negócios criptoeconômicos continuará sendo um campo em evolução — e muito relevante nisso.

Muito obrigado a Ryan Zurrer, Lawrence Krimker, Lauren Furman, Marc Pontone e Josh Teichman por suas contribuições para este artigo. Dou às boas-vindas a qualquer comentários ou feedback.


Siga-nos no Facebook