Úlitmas notícias: a FSA do Japão aprova licença para exchange hackeada Coincheck, informa Nikkei

Isenção de responsabilidade: nas horas desde a publicação, o Monex Group emitiu uma declaração em resposta à cobertura da mídia da suposta decisão referente à aprovação da licença da Coincheck. Este artigo foi atualizado para incluir essa resposta.

A Agência de Serviços Financeiros do Japão (FSA, na sigla em inglês) aprovou, supostamente, uma licença de operação de uma exchange de criptomoedas para exchange de cripto hackeada Coincheck. A publicação Nikkei Asian Review, jornal de língua inglesa focada na Ásia, informou em 19 de dezembro.

De acordo com o Nikkei, um anúncio do watchog financeiro está previsto para ser lançado até o final do ano. Notavelmente, em correspondência privada com a Cointelegraph Japan, a PR de Coincheck enfatizou que "não é [o anúncio oficial da exchange] e ainda não confirmamos o fato".

O próprio Monex Group emitiu uma declaração em resposta ao artigo da Nikkei Asian Review, esclarecendo que a notícia "não foi baseada em nosso anúncio":

"A Coincheck, Inc. está sob revisão para uma exchange de criptomoedas [licença]. No entanto, não há nenhum fato em relação ao registro que foi determinado. Indo adiante, caso haja fatos relativos à Coincheck, Inc. que precisem ser divulgados, faremos isso de maneira oportuna e apropriada."

Como publicado anteriormente, a FSA intensificou seu escrutínio das exchanges de cripto domésticas na esteira do recorde de US $ 532 milhões  em roubo de tokens NEM das carteiras de Coincheck em janeiro deste ano.

Embora uma licença tenha sido obrigatória para todas as exchanges de cripto operando no Japão desde a alteração da Lei de Serviços de Pagamento do país em abril de 2017, a FSA continuou a aumentar os requisitos para os candidatos ao longo de 2018. Cerca de 160 candidatos alegadamente ainda estavam aguardando uma decisão sobre uma licença de operação em meados de outubro e até 200 hoje, de acordo com o Nikkei.

Após o hack de janeiro, a Coincheck recebeu dois pedidos de melhoria de negócios da FSA, com foco particular na melhoria de suas medidas de proteção ao cliente e lavagem de dinheiro (AML). A exchange decidiu ainda reformular sua composição e gestão de acionistas, tornando-se uma subsidiária integral do Monex Group em meados de abril.

Sob a nova administração da Monex, a Nikkei alega que a FSA julgou supostamente que as medidas de proteção e outros sistemas críticos na exchange agora foram suficientemente aprimorados para garantir uma nova licença. Juntamente com essas melhorias, a Coincheck revisou quais criptomoedas gerenciará e também reembolsou os clientes afetados pelo hack.

Em meados de novembro, a Coincheck retomou o comércio NEM e abriu o suporte para Ethereum (ETH) e Lisk (LSK). Ele também se juntou à Japan Network Security Association em uma oferta para "renovar sua imagem".