Atlas Quantum diz que CEO não saiu do país, mas marca videoconferência com funcionários

A Atlas Quantum disse em nota, na noite da quinta-feira (10), que o CEO da empresa, Rodrigo Marques, não teria deixado o Brasil, conforme divulgou o Cointelegraph após ouvir fontes ligadas à empresa. Apesar da negativa, funcionários da empresa foram avisados que o executivo faria um pronunciamento para eles via videoconferência - formato inédito para a companhia.

O Cointelegraph teve acesso ao email enviado aos colaboradores da Atlas, que diz:

"Time Atlas,
Teremos hoje, às 15h, videoconferência com o nosso presidente Rodrigo Marques. Como é o primeiro evento nesse formato, seguem algumas orientações:
•    a transmissão será realizada nas copas dos 6º e 7º andares. Você não precisa levar computador. A projeção será realizada nos monitores;
•    recomendamos que todos se desloquem com alguns minutos antecedência;
•    o evento começa com uma breve apresentação do Rodrigo e, na sequência, haverá um período para perguntas e respostas;
•    o Rodrigo não terá retorno de vídeo e áudio. Por isso, as perguntas serão realizadas por escrito. Nossa equipe de RH estará disponível para orientá-los;
•    não será preciso se identificar nas perguntas; 
•    a duração do evento é de 1 hora. É possível que esse intervalo não seja suficiente para responder a todas as dúvidas. As perguntas não atendidas durante a videoconferência serão respondidas por escrito e reunidas em comunicado interno que será enviado a todo Time Atlas na semana que vem. 
Contamos com a participação de todos. 
Comunicação Interna Atlas Quantum."

Usuários da Atlas que procuraram o suporte da empresa na última quarta-feira, teriam recebido a informação de que o CEO estava em São Paulo, informação que possivelmente seja falsa, já que fontes garantem sua viagem para o exterior. O email enviado aos funcionário corroboraria esse teoria que aponta a viagem do executivo.

Sobre o 'paradeiro' do CEO da Atlas, a empresa alega que: 

O CEO do Atlas Quantum não deixou o Brasil e continua ativo à frente da gestão da companhia, focado integralmente em buscar soluções para os problemas de curto prazo que a companhia atravessa. O executivo é sensível à preocupação que afeta muitos de seus investidores neste momento e mantém seu compromisso pessoal com a normalização das operações".

Em contato com o Cointelegraph, outra fonte com conhecimento do caso alegou que o CEO teria ido inicialmente para a Alemanha, em um voo da Lufthansa que partiu de Guarulhos com destino a Frankfurt no dia 27 de setembro. De lá, o executivo teria ido para a Holanda.

Ainda segundo a fonte, Marques teria se hospedado inicialmente no hotel "Pestana Riverside", em Amsterdã (HOL). A reportagem tentou contato com a Lufhansa e com o hotel, mas ambos alegaram políticas de privacidade e proteção de dados e não revelaram informações.

Outra informação publicada pelo Cointelegraph com exclusividade na quarta-feira (10) foi a saída de Thiago Lavorato da Atlas Quantum. Ele ocupava cargo na diretoria da empresa e era braço direito de Marques - ele era a única pessoa, além do CEO, que possuia informações sobre as contas e carteiras da empresa nas exchanges.

 

Lavorato retirou a menção a Atlas em seu perfil no Linkedin e reforçou que não integra mais a equipe. Thiago Lavorato Franco é amigo de infância de Rodrigo Marques e também tinha acesso ao robô de arbitragem da empresa.

Como mostrou o Cointelegraph, Rodrigo Marques, teria deixado o Brasil e ido para a Holanda, com toda a família segundo fontes de dentro da própria empresa que alertaram o Cointelegraph.

"Logo após a Audiência Pública, na Câmara dos Deputados, o Rodrigo demitiu a equipe de segurança que acompanhava ele em todos os locais e junto com a família comprou um viagem, já para o dia seguinte, para Amsterdã, na Holanda. Ele levou tudo o que podia levar na mão. A filha também levou o que pode. Ninguém sabe o paradeiro exato dele naquele país", disse a fonte.