Fintech brasileira fecha parceria com protocolo blockchain de alta escalabilidade para se aproximar de mercados tradicionais

A QR Capital, empresa fintech brasileira de investimentos em ativos digitais, anunciou nesta sexta-feira, 19 de julho, que fechou uma parceria com a Hathor Network, um protocolo blockchain com tecnologia brasileira que visa a alta escalabilidade. O anúncio foi feito através de um comunicado enviado ao Cointelegraph Brasil.

Segundo a gestora de ativos digitais, “a Harthor Network contribuirá para o desenvolvimento de soluções inovadoras para ambientes regulados”. 

A nota diz que o acordo permitirá parcerias para o uso da tecnologia no mercado financeiro e de capitais, com bancos e outras instituições financeiras “tradicionais”.

O comunicado de imprensa ainda diz que o protocolo tem capacidade para processar mais de 1.000 transações por segundo (TPS), podendo ser aplicado em soluções de pagamento que necessitem de capacidade de processamento de grandes volumes.

O CEO da QR Capital, Fernando Carvalho, diz a parceria é uma aposta da fintech para aproximação com mercados ainda inexplorados pela criptoeconomia:

“O protocolo da Harthor busca resolver um dos maiores desafios dos protocolos de blockchain atuais: a falta de escalabilidade. A capacidade de realizar múltiplas transações simultâneas no mesmo bloco abre um novo universo de possibilidades, inclusive no mercado regulado”.

Em março deste ano, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) baixou uma portaria que prevê a criação de ambientes regulatórios experimentais (sandboxes) para teste de novas tecnologias no mercados financeiro e de capitais.

Para o CEO e fundador da Harthor Network, o engenheiro computacional Marcelo Brogliato, os em breve os valores mobiliários terão representação digital, “criando um novo mercado de grande potencial para a nova tecnologia”.

Fernando, da QR, ainda completou, explicando os objetivos da parceria com a fintech:

“A parceria tem o objetivo estratégico de posicionar a QR Capital como player importante neste novo mercado, que permita casos de uso da tecnologia blockchain que levem à redução de custos e de intermediários e facilitem o acesso à distribuição de valores mobiliários”.