Até 2020 mais de 100 mil comércios no Brasil devem aceitar e vender Bitcoin e criptomoedas

O fundador e CEO da exchange 3xBit, Saint Clair Izidoro, declarou que até o final de 2020, mais de 100 mil estabelecimentos devem aceitar Bitcoin e criptomoedas no Brasil por meio de um PoS, desenvolvido pela empresa chamado EletroPay, segundo informação compartilhada com o Cointelegraph, hoje, 01 de julho.

O objetivo de Izidoro é ousado tendo em vista que, atualmente, no Brasil, são cerca de 850 estabelecimentos com suporte para pagamento em criptomoedas. O empresário disse que pretende iniciar o plano de expansão/aceitação a partir de Campinas, cidade no interior de São Paulo, na qual, até o final do ano 200 estabelecimentos devem aceitar criptomoedas.

"Vamos implantar 100 mil máquinas da EletroPay até o final de 2020. Em Campinas, serão 200 estabelecimentos que aceitarão a criptomoeda. É como uma maquininha de cartão, que vai permitir que qualquer pessoa ou comércio faça compra e venda no mercado. Vamos implantar para os próximos meses uma loja-conceito chamada Bitcoisas, que só vai receber em criptomoedas”.

Saint Clair destacou ainda que a idéia não é só permitir que pagamentos sejam feitos com Bitcoin e criptomoedas, mas também permitir que logista usem o sistema para vender pequenas quantidades de criptomoedas.

"Queremos resolver primeiramente a 'dor do lojista' que está relacionada às taxas que ele paga por antecipação para atender o fluxo de caixa. Com pagamentos em criptomoedas isso é reduzido, além disso oferecemos a oportunidade de usar nossa máquina para que ele possa vender frações de criptomoedas e com isso também gerar lucro para o estabelecimento".

O CEO destacou, ao jornal Correio Popular, que o Bitcoin é o dinheiro do futuro e que com o tempo, assim como ocorreu com cartões de crédito e débito as pessoas entenderão a transformação e isso irá mudar completamente a sociedade.

“O bitcoin é o dinheiro do futuro que eu já vejo como realidade (...) Em 1950, a Dinners Club lançou seu cartão de crédito, que era o dinheiro de plástico, e muitos não acreditavam que aquilo daria certo. Hoje, é raro ver as pessoas usando dinheiro em papel. Hoje as criptomoedas estão ganhando espaço no mercado. Vamos orientar e educar as pessoas a entendê-las”. .

Como reportou o Cointelegraph, o  empresário brasileiro Rocelo Lopes pode ser o primeiro parceiro oficial do Facebook e da Associação Libra, no Brasil e operar um nó da blockchain Libra da rede social. Lopes afirmou que já entrou em contato com o Facebook para ser o node da empresa na América Latina. Se aprovado, a CoinPy, empresa de Lopes focada em mineração, nodes e masternodes, será, junto com o Mercado Livre, um parceiro oficial do projeto que já conta com Visa, Mastercard, PayPal entre outras.