Justiça brasileira manda leiloar carros de luxo de acusados em esquema de golpe com criptomoeda

A Justiça do Distrito Federal vai leiloar 16 carros de luxo apreendidos nas investigações do esquema pirâmide envolvendo a falsa criptomoeda Kriptacoin, conforme noticiou o portal de notícias G1 no sábado, 9 de março. 

O dinheiro arrecadado será usado para ressarcir as vítimas do esquema, que tem quatro suspeitos que já são considerados réus pela justiça brasileira, informa o portal. Eles foram denunciados formalmente pelo crime de lavagem de dinheiro.

Em abril de 2018, 13 pessoas foram condenadas por crime contra a economia popular, ocultação de bens, falsidade ideológica e organização criminosa, como resultado da primeira denúncia das autoridades brasileiras envolvendo o caso. As penas variam de 3 a 11 anos de cadeia.

A segunda denúncia chegou à 8ª Vara Criminal de Brasília, que não considerou o crime lavagem de dinheiro. Já a terceira denúncia envolveu mais 11 pessoas na acusação.

Segundo as acusações, os crimes ocorreram entre o fim de 2016 e início de 2017. Os acusados usavam a falsa criptomoeda Kriptacoin para atrair compradores, prometendo altos rendimentos e ganhos de 1% ao dia, com resgate a ser feito somente um ano após o investimento. Os supostos golpistas chegaram a veicular anúncios em jornais e TV.

Entre os carros apreendidos, estão modelos de luxo das marcas Ferrari, BMW, Porsche, Mercedes-Benz, Audi e Land Rover. O lance mínimo varia de R$ 35 mil a R$ 1,3 milhão - valor de uma Lamborghini 2015.

O Ministério Público também considerou leiloar ainda uma aeronave e um helicóptero apreendidos na Operação Patrick, que investiga o esquema. Porém, um acordo com os proprietários permitiu a recuperação de R$ 1,5 milhão, referente ao pagamento parcial desses bens pelos réus.