Brasil terá sistema de compra e venda de energia com blockchain via pareceria entre CPQD, Copel Distribuição e ANEEL

Uma parceria inédita entre a ANEEL, o CPQD e a Copel Distribuição permitirá a criação de um sistema de compra e venda de energia no Brasil usando a tecnologia blockchain, segundo um comunicado de imprensa compartilhado com o Cointelegraph hoje, 21 de novembro.

Segundo o comunidado o objetivo é criar um novo ambiente virtual para a comercialização direta de energia elétrica entre consumidores e prosumidores (que produzem sua própria energia), no ambiente de geração distribuída (GD). O projeto é conduzido pela Copel Distribuição, concessionária de energia que atua principalmente no estado do Paraná, para o qual o CPQD está desenvolvendo uma solução baseada em Blockchain destinada a viabilizar a implantação de um marketplace descentralizado para transações desse tipo.

Iniciado em agosto deste ano, o projeto conta com recursos do programa de pesquisa e desenvolvimento regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e tem duração prevista de 21 meses.

“A ideia é preparar as empresas de energia para as mudanças estruturais motivadas pelas transformações no setor elétrico, em particular pelos movimentos de descentralização, que incluem a geração distribuída, de digitalização e de mobilidade elétrica, bem como pelo crescente protagonismo do consumidor de energia”, afirma Gustavo Klinguelfus, gerente do Programa de P&D da Copel Distribuição. 

O uso da tecnologia Blockchain permitirá a comercialização de energia elétrica no marketplace de forma segura, rápida e sem intermediários, entre consumidores e prosumidores (residenciais, comerciais, industriais, etc.) que não se conhecem.

“Trata-se de uma nova relação comercial que tecnologias disruptivas como o Blockchain tornam possível. Nesse caso, os prosumidores passam a dispor de opções economicamente mais atrativas para remunerar o excedente de energia injetada no sistema de distribuição, o que tende a impulsionar a expansão da GD”, explica Frank Toshioka, gerente do projeto por parte da Copel Distribuição.

Já Luiz Rolim, líder técnico do projeto no CPQD, destaca que a organização, em conjunto com a Copel Distribuição, será responsável pela concepção do novo marketplace, construção das regras de negócio, operação do sistema, desenvolvimento da rede Blockchain e, ainda, pela criação de simuladores para a realização de provas de conceito.

“Para isso, vamos empregar ferramentas no estado da arte da tecnologia Blockchain, realizar estudos de viabilidade econômica baseados em dados reais da Copel e do sistema elétrico nacional e, ainda, conduzir provas de conceito, em ambientes simulados, com grupos representativos da base de consumidores da Copel”, adianta Rolim. “O ponto de partida será o atual arcabouço regulatório. Entretanto, o projeto prevê aprimoramentos das normas regulatórias e das regras de negócio do setor, com o objetivo de viabilizar novas formas de remuneração e modelos de negócio para a geração distribuída”, acrescenta.

Gustavo Klinguelfus, da Copel Distribuição, enfatiza que esse projeto é um passo importante da empresa em direção à massificação no país da geração distribuída - em particular, de energia fotovoltaica.

“Por meio da prova de conceito, das análises realizadas e do uso de tecnologias habilitadoras como o Blockchain, será possível avaliar o comportamento dos agentes no marketplace, suas interações com as empresas de energia, as questões econômicas, regulatórias, tributárias e comerciais associadas, o que irá gerar importantes contribuições não só para a Copel como também para o setor elétrico nacional”, conclui.

Como noticiou o Cointelegraph, recentemente o CPQD, um dos principais centros de tecnologia do Brasil anunciou uma parceria com a startup Safe Trace e com o apoio da EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial), para o lançamento do Agro Trace Chain, uma plataforma em blockchain voltada para o agronegócio e baseada no Hyperledger Fabric.

Confira mais notícias