Oitavo país com mais 'unicórnios', Brasil não tem nenhuma startup ligada à blockchain avaliada em mais de US$ 1 bilhão

O instituto de pesquisas Hurun Report, baseado em Shangai, na China, divulgou a "Global Unicorn List", lista que revelou 11 "unicórnios" baseados na tecnologia blockchain. A lista revelou ainda que o Brasil é o oitavo país com mais "unicórnios" no mundo, apesar de não ter nenhum ligado à tecnologia blockchain.

O relatório define um "unicórnio" como startups de tecnologia fundada nos anos 2000 que tenham recebido avaliação acima de US$ 1 bilhão e que não tenham sido listadas em uma bolsa de valores.

A lista, liderada pela China com 206 unicórnios, tem o Brasil dividindo a oitava colocação com Indonésia e França, todos com 4 unicórnios.

Segundo a lista, todas as startups bilionárias brasileiras estão sediadas em São Paulo, colocando a capital paulista em 18º lugar na lista de sedes de unicórnios no mundo.

Para a "Global Unicorn List" as empresas brasileiras que podem ser chamadas de "unicórnios" são o Nubank, iFood, Loggi e Gympass. Outras empresas que já fizeram parte do grupo - como PagSeguro e Stone, deixaram o título de lado após terem ações vendidas na bolsa de valores. 

A lista, no entanto, deixa de fora nomes como QuintoAndar e EBANX, que se tornaram "unicórnios" muito recentemente e acabaram ficando de fora do levantamento. Com o acréscimos dessas duas empreas, o Brasil ganharia uma posição no ranking, saltando de oitavo para sétimo, empatado com a Coreia do Sul

A China domina 42% dos unicórnios do mundo, com os Estados Unidos em segundo lugar, com 203 startups.

As três maiores startups do mundo são a startup fintech chinesa Ant Financial, a empresa de social media Bytedance e a plataforma móvel de transportes Didi Chuxing, avaliadas respectivamente em US$ 150 bilhões, US$ 75 bilhões e US$ 55 bilhões. A melhor brasileira na lista é o Nubank, avaliado em US$ 4 bilhões.

O setor mais significativo é o de e-commerce, com 68 startups, seguido pelas fintechd, com 56. As 11 startups blockchains na lista são avaliadas, juntas, em US$ 40 bilhões. A média de idade das startups blockchains é de 5,3 anos, menos que a maioria dos unicórnios.

A gigante de mineração Bitmain é a melhor avaliada, mas Canaan, Binance e Ebang são algumas das citadas na lista, representando juntas 46% da avaliação de mercado das startups unicórnio do setor.

Além delas, aparecem a Coinbase, a Circle, a Block.One, a Bitfury, a Liquid Global, a Ripple e a Dfinity.