Botão power da sua TV pode manter a rede do Bitcoin funcionando por 3 anos

Um estudo publicado pela Universidade de Cambridge destacou que a quantidade de eletricidade consumida por dispositivos domésticos sempre ativos, porém inativos, somente nos EUA poderia alimentar toda a rede Bitcoin por 2,9 anos.

Por equipamentos sempre ativos, a Universidade destaca luzes que ficam acesa em botão de power em televisores, marcadores externos em geladeiras e demais outros itens que mesmo ‘desligados’ estão consumindo energia.

As estimativas da Universidade, divulgadas inicialmente na WDMS 2019, organizada pela Bitmain, são baseadas no atual hashrate do Bitcoin e combinados com diversos fatores como eficiente de equipamentos x custo de energia.

Segundo a Cambridge, o processo de mineração de Bitcoin consome apenas 0,30% de toda energia produzida mundialmente e cerca de 0,35% de toda energia consumida.

A Universidade destaca também que a energia hidroelétrica produzida atualmente poderia ‘sustentar’ a mineração de Bitcoin em até 55 vezes, enquanto Biocombustíveis e resíduos em 8 vezes e Solar, vento e outros em 18 vezes.

Entretanto, o consumo atual da rede Bitcoin está estimado em 75,38 TWh e, portanto, o BTC consumiria mais energia que países como Venezuela e Chile.

Como noticiou o Cointelegraph, umcientista russo foi preso em 24 de outubro por participar de um esquema de mineração secreta de Bitcoin através dos supercomputadores de uma instalação nuclear.

Confira mais notícias

Coinbase contrata ex executivo da Fannie Mae como novo diretor jurídico

A plataforma em blockchain Colu encerra suas atividades e faz a recompra de seus tokens

Ex-assessor Econômico do Presidente dos Estados Unidos, Trump, Junta-se ao Conselho de Startups Blockchain

"Burro" ataques de Malware MacOS Malware para usuários Slack e Discord