Startup blockchain arrecada US$ 5 milhões para automatizar controles de segurança em aeroportos

A startup blockchain Zamna arrecadou US$ 5 milhões para automatizar os controles de segurança em aeroportos usando as tecnologias blockchain e biométrica, informou a agência de notícias de tecnologia Silicon Republic em 28 de outubro.

A startup planeja usar o financiamento para implementar sua plataforma, chamada Advance Passenger Information. A Zamna também disse que o International Airlines Group (IAG), a Emirates Airlines e a Diretoria Geral de Assuntos de Residências e Estrangeiros dos Emirados Árabes Unidos estão agora entre seus clientes.

Segundo o site de dados da empresa Crunchbase, a rodada de sementes foi liderada pelas empresas de capital de risco LocalGlobe e Oxford Capital, juntamente com a IAG, um dos maiores grupos de companhias aéreas do mundo.

Até 90% menos verificações de documentos

A Zamna, anteriormente conhecida como Vchain Technology, visa compartilhar dados de passageiros entre aeroportos, governos e empresas de segurança via blockchain.

A plataforma diz que isso permitirá o compartilhamento seguro entre as partes envolvidas e fornecerá verificações instantâneas de dados dos passageiros, o que deve reduzir as verificações manuais de documentos em até 90%.

Um porta-voz da startup explicou:

"Nosso desejo é que, à medida que mais identidades de passageiros forem verificadas digitalmente ao longo do tempo e compartilhadas com segurança entre as partes, o processo de segurança do aeroporto se automatize e os passageiros possam passar pelo aeroporto sem precisar de documentação física ou repetidas verificações de identificação".

Verificando dados sem os compartilhar

O sistema permite altos padrões de privacidade graças a um algoritmo proprietário capaz de verificar dados biométricos e biográficos sem os compartilhar com terceiros.

A plataforma "permite que companhias aéreas, aeroportos e governos acessem uma rede segura, imutável e distribuída de validações", afirma a empresa, acrescentando que:

"A tecnologia pode ser usada por qualquer uma dessas partes para validar dados biográficos e biométricos de passageiros, usando 'sinais' criptograficamente sólidos para verificar se você é quem diz ser."

A cofundadora e CEO da Zamna, Irra Ariella Khi, observa que atualmente as companhias aéreas não conseguem fornecer dados precisos aos governos de acordo com os regulamentos.

Ela disse que as companhias aéreas e os governos precisariam investir uma grande quantidade de recursos para verificar quem deve ou não ser admitido em um determinado país.

Segundo ela, tudo isso deve ser automatizado na era digital, dizendo:

"Em 2019, essas decisões devem ser automatizadas e informadas com segurança por dados de alta integridade - muito antes do início da jornada".

Como o Cointelegraph relatou em março, um representante da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos disse anteriormente que o uso da blockchain para rastreamento biométrico seria o killer app da tecnologia no setor de segurança de viagens.