Políticas de desenvolvimento de blockchain na China concentrado em três cidades

Pequim, Xangai e Guangzhou (Cantão) — ou BeiShangGuang — se tornou a área mais concentrada de legislação e política relevante de blockchain na China, informou o a publicação financeira local Securities Daily em 7 de dezembro.

O jornal chinês de valores mobiliários analisou as políticas relacionadas ao blockchain introduzidas em todo o país nos últimos anos e concluiu que existem 32 políticas relacionadas ao blockchain no país. Enquanto isso, 11 projetos estão concentrados em três áreas: Beijing, Shanghai e Guangzhou. As publicações afirmam:

“A tecnologia Blockchain [destina-se] a servir a economia real, concentrando-se no equilíbrio entre inovação, regulamentação e segurança, e esclarecendo a linha de fundo da estabilidade financeira e da segurança da informação.”

A China adotou uma política dividida em relação a blockchain e criptocorrências, elogiando e adotando a tecnologia blockchain - o presidente da China, Xi Jinping, chamou publicamente blockchain de uma prioridade tecnológica do século 21 - ao mesmo tempo em que proíbe as criptomoedas.

No mês passado, o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China (MIIT) publicou um documento, instando a “aceleração” do desenvolvimento de padrões para aplicações do sistema blockchain em várias indústrias domésticas.

Também no mês passado, uma nova aliança blockchain, envolvendo 54 empresas diferentes, foi criada na cidade de Guangzhou, com o objetivo de promover e desenvolver a tecnologia blockchain no país.

Enquanto isso, o governo chinês supostamente censurou certos materiais relativos a criptomoedas. Quando o livro de Andreas Antonopoulos, "Mastering Bitcoin", apareceu no canal de TV estatal da China, o título foi alterado para "Blockchain: o caminho para a digitalização de ativos" e não continha referências ao Bitcoin (BTC).

O Banco Popular da China (PBoC), o banco central chinês, emitiu várias advertências contra criptomoedas, chamando-as de "bolhas" em financiamento e investimento. No início desta semana, o Departamento Municipal de Finanças da Beijing lembrou ao público que a Oferta de Token de Valor Mobiliário (STOs) foi considerada ilegal na jurisdição.