Pesquisa indica que adoção da blockchain na indústria de IoT mais que duplicou em 2018

A adoção da blockchain na indústria da Internet das Coisas (IoT) mais do que dobrou nos últimos 12 meses, revela uma pesquisa conduzida pela maior empresa holandesa de segurança cibernética, a Gemalto, em 15 de janeiro.

Segundo a pesquisa, as empresas do setor de IoT estão se voltando cada vez mais para a tecnologia blockchain, com a adoção da blockchain mais do que dobrando de 9 para 19% nos últimos 12 meses.

A Gemalto entrevistou 950 profissionais de tecnologia da informação (TI) e tomadores de decisões de negócios globalmente. De acordo com os dados da pesquisa, 90% das empresas acham que a segurança de dispositivos IoT é uma consideração importante para os clientes e 79% estão solicitando diretrizes de segurança mais robustas, emitidas pelo governo.

O relatório observa que - enquanto presumivelmente espera que os governos intervenham com a regulação - o setor está se voltando para a blockchain como uma potencial solução. Quase um quarto (23%) dos entrevistados acredita que essa tecnologia “seria uma solução ideal para proteger dispositivos IoT”.

Além disso, 91% das organizações que atualmente não usam a tecnologia blockchain declararam que provavelmente considerarão adotá-la no futuro.

Jason Hart, CTO e protetor de dados da Gemalto declarou no resumo da pesquisa:

“As empresas estão claramente sentindo a pressão de proteger a crescente quantidade de dados que recolhem e armazenam. Porém, embora seja positivo, elas estejam tentando resolver isso investindo em mais segurança, como a blockchain, elas precisam de orientação direta para garantir que não vão se expor.”

A Gemalto, de acordo com o comunicado de imprensa, é a líder global em segurança digital, operando em 180 países e relatando 3 bilhões de euros (cerca de US $ 3,4 bilhões) em receita em 2017.

Como foi informado em setembro do ano passado pela Cointelegraph, o consórcio blockchain R3 implantou um aplicativo de identidade digital desenvolvido pela Gemalto na versão mais recente de sua plataforma blockchain, a Corda.

Em outubro de 2017, a Cointelegraph relatou que as suítes Amazon Web Services tanto da Gemalto quanto da Aviva haviam sido hackeadas apra a mineração de criptomoeda.