Cofundador da Bitmain inicia luta legal para retornar ao controle da empresa

O cofundador da gigante de mineração de criptomoeda Bitmain, Micree Zhan Ketuan, iniciou um processo judicial contra os acionistas da empresa em uma tentativa de restaurar o controle da empresa.

Como a Bloomberg informou em 3 de janeiro, Zhan pediu a um tribunal das Ilhas Cayman que desacreditasse a decisão dos acionistas da Bitmain de converter as ações Classe B da empresa de mineração em um voto por ação, enquanto anteriormente cada ação Classe B valia dez votos. Como tal, os acionistas reduziram bastante a influência de Zhan sobre a empresa.

De acordo com um prospecto de oferta pública inicial de 2018, Zhan possuía quase 4 milhões de ações da Classe B - quase o dobro de Wu, que é o único outro detentor de ações especiais.

Remoção de Zhan sem consentimento dele

O conflito entre Zhan e os acionistas da Bitmain surgiu em outubro de 2019, quando o cofundador da empresa, Jihan Wu, anunciou em um e-mail que Zhan havia deixado a empresa. O e-mail dizia: "O cofundador, presidente, representante legal e diretor executivo da Bitmain, Jihan Wu, decidiu dispensar Ketuan Zhan de todas as funções, com efeito imediato".

Zhan reagiu desanimado ao anúncio, alegando que havia sido removido como representante legal da empresa sem o seu consentimento. Na época, Zhan escreveu:

"Até então, eu não sabia que aquelas cenas nos programas de TV, onde você é apunhalado pelas costas por parceiros em quem confiava e 'irmãos' com quem lutou, podem realmente acontecer na vida real. [...] a Bitmain é nossa filha. Vou lutar por ela até o fim com armas legais. Não permitirei que aqueles que desejam conspirar contra a Bitmain tenham sucesso. Se alguém quiser uma guerra, nós lhe daremos uma."

Além disso, Wu alertou ainda mais os funcionários da Bitmain contra a interação com Zhan, dizendo:

"Qualquer equipe da Bitmain não deve mais tomar nenhuma ordem de Zhan ou participar de qualquer reunião organizada por Zhan. A Bitmain pode, com base na situação, considerar rescindir contratos de trabalho daqueles que violarem esta nota."

Demissões e congelamento de ativos

Recentemente, o Cointelegraph informou que a Bitmain planeja reduzir sua força de trabalho em outros cinquenta por cento como parte do chamado "plano de otimização de pessoal". Pessoas familiarizadas com o assunto assumem que a razão para as demissões é o halving do Bitcoin, que vai reduzir pela metade o número de novas moedas concedidas aos mineros pelo trabalho.

Em meados de dezembro de 2019, um tribunal chinês congelou aproximadamente US$ 676.000 em ativos pertencentes à subsidiária da Bitmain, Shenzhen Century Cloud Core. A decisão segue uma solicitação apresentada por um fabricante de componentes eletrônicos, Dongguan Yongjiang Electronics, em 24 de setembro.