Suspeito de 19 anos é acusado de roubar US$ 1 milhão em criptomoedas

Um homem de 19 anos foi indiciado por roubo de identidade como parte de um suposto crime envolvendo criptomoedas, no valor de US$ 1 milhão, que afetou pelo menos 75 vítimas nos Estados Unidos.

Um comunicado à imprensa publicado em 18 de dezembro pelo procurador do distrito de Manhattan, Cyrus R. Vance, alegou que Yousef Selassie, 19, conduzia um complexo esquema de “troca de chip telefônico (SIM)”, visando moradores de 20 estados diferentes.

A troca do SIM - também conhecida como fraude de saída - envolve o roubo do número de telefone celular de uma vítima, para sequestrar suas contas de mídia social e financeira, interceptando as mensagens ou chamadas telefônicas automatizadas usadas como medidas de segurança de autenticação de dois fatores. 

Uma acusação entre nove

Como o comunicado da promotoria de Manhattan descreve, Selassie foi indiciado em nove acusações, incluindo roubo de identidade de primeiro e segundo graus, furto de primeiro e quarto graus, invasão de computadores e adulteração, entre outros.

Em um comunicado, o promotor disse que o suspeito havia cometido os crimes de seu apartamento no Brooklyn, acessando ilicitamente contas pertencentes a 75 vítimas e roubando mais de US$ 1 milhão em criptomoedas, usando "pouco mais que um iPhone e um computador".

Selassie supostamente comprometeu contas online para determinar se seus alvos tinham ativos de criptomoeda, que incluíam, mas não se limitavam, ao Gmail, Yahoo e Dropbox.

Ele é acusado de ter alterado as senhas nessas contas, para impedir que as vítimas recuperassem o controle e de ter “intencionalmente selecionado e direcionado vítimas conhecidas por serem ativas em criptomoedas, devido em parte à dificuldade inerente em rastrear o roubo e transferência de criptomoeda."

Selassie foi preso em Corona, Califórnia, de acordo com a execução de um mandado de busca, o que levou à apreensão pelas autoridades de vários dispositivos eletrônicos, além de jóias feitas sob encomenda, supostamente adquiridas usando Bitcoin (BTC).

Além disso, eles recuperaram uma nota manuscrita contendo uma frase de segurança de uma carteira de criptomoeda.

Uma ameaça contínua

Conforme relatado, as autoridades dos EUA acusaram um homem da Pensilvânia no início deste mês de conspiração para cometer fraudes e extorsões eletrônicas por meio de uma série de trocas de SIM, visando executivos e investidores de criptomoeda.

Em novembro, membros da Força-Tarefa REACT - um grupo de policiais da Califórnia dedicado ao combate ao cibercrime - disseram considerar a troca de SIM uma das principais prioridades do grupo na luta contra a fraude relacionada a criptomoedas.

É difícil lidar com a troca de SIM, pois o sucesso do criminoso depende de vários fatores fora do controle inicial do proprietário do SIM.

Ao investigar roubos de troca de SIM, os promotores identificaram que os funcionários de telecomunicações em alguns casos abusaram intencionalmente de seu acesso aos dados dos clientes, ou foram cúmplices involuntários no compartilhamento de informações confidenciais com os autores.

Michael Terpin - um investidor de criptomoedas que entrou com uma ação relacionada à troca de SIM contra a operadora de telecomunicações AT&T - comparou a empresa a um “hotel dando a um ladrão com um ID falso uma chave do quarto e uma chave do cofre para roubar jóias e dinheiro."