A corretora cripto Bithumb proíbe contas de 11 países

De acordo com um comunicado oficial., a Bithumb banirá usuários de onze países a partir de 28 de maio como parte das novas práticas de anti-lavagem de dinheiro (AML).

Em um comunicado de imprensa emitido em 27 de maio, a Bithumb confirmou que os cidadãos dos estados que compõem a iniciativa de Países e Territórios Não-Cooperativos (NCCT) não poderão mais usar seus serviços. A corretora é atualmente a quinta maior do mundo em volume de comércio, de acordo com dados da Coinmarketcap.

Novos pedidos de conta serão recusados a partir de segunda-feira, enquanto todas as contas existentes desaparecerão até 21 de junho.

Explicando sua decisão, a Bithumb disse que estava agindo como parte dos "esforços globais contra lavagem de dinheiro"

“Os usuários do NCCT serão impedidos de usar o serviço da corretora para que a criptomoeda não seja usada para financiar o terrorismo internacional”, acrescentou o comunicado de imprensa.

O NCCT envolve países que não cumprem com os padrões de AML estabelecidos pelo Financial Action Task Force on Money Laundering (FATF), uma estrutura criada pelo então G7 nos anos 80.

As jurisdições que a Bithumb terá como alvo incluem Irã, Etiópia, Iraque, Sérvia, Sri Lanka e Tunísia.

"Vamos aplicar rigorosamente nossas próprias regras e proteger nossos investidores, e vamos cooperar ativamente com as autoridades", acrescentou um porta-voz da Bithumb

As bolsas da Coréia do Sul enfrentaram demandas consideráveis de conformidade regulamentar desde o final de 2017. Elas variaram de taxação a verificação de identidade, pois as autoridades tentam padronizar e proteger o mercado de criptomoeda o mais rápido possível.

A Bithumb também continua a propagar o uso da criptomoeda em casa, a Cointelegraph relatou em abril sobre suas parcerias contínuas com as principais empresas para uma maior aceitação.