Volume de negociação de BTC na Venezuela bate recorde depois de novas sanções dos EUA

O governo norte-americano anunciou nesta terça-feira que vão impor um embargo econômico total contra a Venezuela. As sanções envolvem o bloqueio de todos os ativos e propriedades que o governo venezuelano possui nos EUA. 

Depois do anúncio, o preço do Bitcoin chegou a ser US$ 1.000 no mais caro em Bolívares Venezuelanos (VES) através da plataforma de negociação P2P Localbitcoins. Na LocalBitcoins, um BTC esta valendo VES 152.000.000, o que equivale aproximadamente a US$ 12.640 (aproximadamente US$ 1.000 acima da média mundial).

Os volumes negociados também dispararam para máximas recordes. Os volumes de negociação de Bitcoin também atingiram o recorde de mais de 65.000 milhões de VES de nos últimos dias.

Para proteger sua riqueza, os venezuelanos têm se concentrado no Bitcoin como uma reserva de ativos de valor para escapar da hiperinflação. Por se tratar de um sistema financeiro descentralizado, o Bitcoin muitas vezes é mais acessível que o dólar.

A mais recente expansão de sanções pelos EUA também pode agravar ainda mais a crise econômica na Venezuela. O país já está sofrendo de uma grave hiperinflação. O Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta que, na Venezuela, a inflação atingirá a taxa astronômica de 10.000.000% até o final de 2019. 

Para driblar as sanções, o governo Maduro teria chegado a usar câmbio de Bitcoin em taxas de aeroportos no país, como foi noticiado pelo Cointelegraph.

Alguns analistas acreditam que as medidas macroeconômicas adotadas pelo governo dos EUA são alguns dos principais fatores que podem estar afetando o preço do Bitcoin. Es tensões entre o dólar e a moeda chinesa podem afetar o mercado de criptomoedas nas próximas semanas.