Bitcoin sobe para US$ 8.450 após Irã atacar bases americanas no Iraque

Na terça-feira, o preço do Bitcoin (BTC) continuou a recuperação do dia anterior, recuperando US$ 8.000 e subindo acima da média móvel de 200 dias pela primeira vez desde novembro de 2019. O forte movimento de alta também trouxe o ativo digital para cima do canal descendente de longo prazo que se formou em 25 de junho, o Bitcoin estava preso abaixo da linha de tendência desde 26 de outubro, quando o presidente chinês Xi Jinping pediu à China que acelerasse o desenvolvimento e a integração da tecnologia blockchain.  

Cryptocurrency market weekly overview

Visão geral semanal do mercado de criptomoedas. Fonte: Coin360

Muitos acreditam que o forte aumento do Bitcoin de US$ 7.000 para quase US$ 8.500 foi fortemente influenciado pelas crescentes tensões entre os Estados Unidos e o Irã. De fato, o empurrão mais recente, acima de US$ 8.500, ocorreu quando a grande mídia informou que o Irã havia atacado tropas dos Estados Unidos estacionadas em duas bases militares no Iraque.

Mais de uma dúzia de mísseis foram disparados em ambas as bases e, no momento em que escrevemos, nenhuma vítima foi registrada. Os preços do ouro e do petróleo também aumentaram acentuadamente, com o preço do ouro superando a alta de 6 anos, em US$ 1.603,21, e os futuros de ouro subindo 2%, para US$ 1.605,80. 

BTC, Gold, Oil and S&P 500 chart

Gráfico BTC, Ouro, Petróleo e S&P 500. Fonte: YCharts

O preço do petróleo também subiu 4%, com os futuros do West Texas Intermediate subindo para US$ 65,65 e o Brent subindo para US$ 71,75 por barril. Com commodities como ouro, prata e petróleo, os futuros do Dow Jones Industrial Average caíram 343 pontos, e os do S&P500 e Nasdaq também recuaram levemente.

Isso mostra que os traders esperam que a escalada entre os dois países tenha um impacto negativo na abertura dos mercados tradicionais.

BTC USD daily chart

Gráfico diário BTC USD. Fonte: TradingView

A recuperação do Bitcoin ao lado de ativos como petróleo, ouro e prata não é uma surpresa para a maioria dos traders, pois muitos acreditam que o ativo digital está correlacionado à ação de preço das commodities. Desde 6 de janeiro, o preço do Bitcoin subiu 15% e os traders estarão observando de perto para ver se o ativo pode manter seus ganhos recentes acima da 200-DMA e do canal descendente.

BTC USD 6-hour chart

Gráfico de 6 horas do BTC USD. Fonte: TradingView

Nos prazos mais curtos, o rali está começando a parecer um pouco exagerado, com o índice de força relativa (RSI) de 6 horas ultrapassando o território de sobrecompra em 84.

Um ponto positivo é que a forte mudança para US$ 8.470 permitiu que o preço atingisse o nó de alto volume entre US$ 8.100 a US$ 8.300 do intervalo visível do perfil de volume (VPVR); nível de suporte.

Se os bulls falharem em manter US$ 8.300, o preço poderá recuar para US$ 8.150, que fica ao longo do braço principal do canal descendente e próximo ao nível de retração de Fibonacci de 78,6%.

Bitcoin weekly price chart

Gráfico semanal de preços do Bitcoin. Fonte: Coin360

O valor total do mercado de criptomoedas agora é de US$ 217,7 bilhões e a taxa de domínio do Bitcoin aumentou para 69,1%. Os mais notáveis ganhadores entre as altcoins foram Litecoin (LTC) com um ganho de 4,73% e Chainlink (LINK) com 10,04%.

ACOMPANHE OS PRINCIPAIS MERCADOS DE CRIPTO EM TEMPO REAL aqui