Bitcoin - Ainda um longo caminho até ser uma moeda cotidiana: Expert Blog

Expert Blog é a nova série de artigos da Cointelegraph dos líderes da indústria cripto. Ela abrange de tudo, da tecnologia Blockchain e criptomoedas até a regulamentação ICO e análise de investimentos. Se você quiser se tornar nosso autor convidado e ser publicado na Cointelegraph, mande-nos um e-mail para mike@cointelegraph.com.

Primeiro, deixe-me começar dizendo que adoro Bitcoin e que sou um otimista quanto às perspectivas de longo prazo da criptomoeda como um todo. Isso mudou minha vida para melhor, e conheci muitas pessoas ao longo do caminho, que podem dizer o mesmo sobre as suas vidas.

Mas eu queria aproveitar um momento para "ser realista" sobre o Bitcoin, especialmente depois de experimentar, em primeira mão, um aumento dramático neste ano, além da crescente onda de interesse do público geral, do qual muitos estão correndo para comprar a moeda apesar de não saber o que realmente ela é.

O que é o Bitcoin?

De acordo com o próprio Satoshi, o Bitcoin foi projetado para ser um dinheiro eletrônico peer-to-peer que permitiria que os pagamentos on-line fossem enviados entre partes sem a intermediação de uma instituição financeira.

Ele cumpre essa tarefa através da transmissão de transações em um livro-razão público exclusivo para anexos. Os registros dessas transações são armazenados em blocos que estão criptograficamente ligados ao bloco anterior a ele, em uma sequência como uma corrente. Este trabalho é feito por mineradores e requer poder de computação para encontrar a variável nonce que renderizará o hash correto – chamado de prova de trabalho, que é parte integrante do protocolo de consenso.

Transações levam muito tempo

Mesmo que nenhum dos elementos acima faça qualquer sentido para você, a parte importante a ter em mente é que a integridade do sistema sem confiança do Bitcoin depende de uma configuração de ajuste de dificuldade que posiciona a função criptográfica para ser resolvida em 10 minutos, independentemente da poder de computação total na rede. Essa configuração de dificuldade de ajuste dinâmico foi projetada no protocolo para reduzir intencionalmente o tempo de transação para baixo, de modo que seria difícil para um invasor obter uma vantagem tentando resolver uma cadeia de blocos consecutivos e, portanto, possuir as chaves do histórico. Isso não leva em consideração o tempo de espera no mempool antes que uma transação seja adicionada ao próximo bloco – e isso pode te custar até sete horas para uma confirmação.

O ponto é que as transações não são instantâneas. Eles levam tempo.

Transações são caras

As taxas do Bitcoin são medidas em Satoshis por byte de dados transmitidos. Uma vez que um Satoshi é uma fração de um Bitcoin, como o preço da moeda continua a subir, também o preço relativo da transação em si. Para agravar o problema, a onda de novos interessados congestionou a rede, causando atrasos nas transações. Para superar isso, os que enviam podem priorizar a inclusão de sua transação no próximo bloco, aumentando a taxa vinculada à transação. O aumento da concorrência aumenta ainda mais o preço de mercado por transação. No momento deste texto, cada transação custava cerca de US $ 24,23 ou quase o mesmo preço que uma transferência bancária.

Agora imagine um cenário em que você está tentando comprar um pedaço de chiclete em um posto de gasolina – você vai esperar 10 minutos ou mais e pagar quase US $ 25 pela taxa de processamento? Provavelmente não. Na verdade, para a maioria de suas compras diárias ou mesmo ocasionais, o Bitcoin não parece ser uma opção viável contra os métodos que você já usa.

Os sistemas concorrentes ainda são melhores

A rede de mineradores de Bitcoin pode lidar com cerca de 3,5 transações por segundo (tps) em um bloco de 1MB. Compare isso com o PayPal que processa facilmente 150 tps durante períodos de pico ou a Visa, que faz 2 000 tps sem derramar uma gota de suor e tem um pico máximo teórico de 56 000 tps, e você pode ver que os sistemas concorrentes podem escalar com a carga de transações muito melhor. Para que o Bitcoin seja um sistema de pagamento cotidiano, ele deve pelo menos competir no mesmo nível que os sistemas existentes e ter uma esperança de escalar para maiores alturas.

Sistemas centralizados como Visa e PayPal podem implementar melhorias de infraestrutura continuamente para aumentar a velocidade e a taxa de processamento das transações. Porém, a estrutura descentralizada do Bitcoin significa que ele não se beneficia de uma tomada de decisão uniforme motivada por um objetivo comercial. Apesar de seu rápido crescimento e adoção, as melhorias no protocolo foram poucas e distantes, não conseguindo acompanhar a demanda e, portanto, exacerbando os problemas que mencionei em seções anteriores deste artigo.

Muitos notaram que outras criptomoedas abordam os problemas que mencionei com o Bitcoin. Nos primeiros dias, o Bitcoin dependia da dominância do mercado da sua marca e estava menos ocupado com tempo e pelos custos das transações. Hoje, ele trouxe consciência para a comunidade de criptomoeda e permitiu a exposição de outras "altcoins" para compradores interessados. Aqueles que usam seu tempo pesquisando a tecnologia por trás da moeda estão bem cientes dos problemas que mencionei e podem ver méritos mais fortes em uma moeda concorrente. Na verdade, o Bitcoin está rapidamente perdendo participação de mercado frente a todas as outras moedas, representando apenas 36% do mercado de criptomoeda, apenas metade disso foi um ano antes.

E as melhorias futuras?

Houve muita discussão em torno de tecnologias fora da corrente que deveriam resolver essas questões. Muitas delas ainda parecem muito longe de serem implementadas, têm seus próprios problemas e ainda precisam lidar com o acordo de consenso e a educação do usuário para funcionar.

Depois há o argumento de melhorias no próprio protocolo do Bitcoin. A comunidade tem se mantido altamente fragmentada após a dissolução do Acordo de Nova Iorque, que deveria ajudar a resolver a falta de centralização do Bitcoin, ao permitir votações diferentes, mas importantes, da comunidade. Em seu estado atual, é difícil imaginar a implementação de melhorias de escalabilidade a curto prazo no protocolo para resolver esses problemas.

Bitcoin como o ouro digital

Há outro lado da moeda virtual nesta discussão – que o Bitcoin não precisa ser uma moeda cotidiana, mas sim servir como a reserva de valor na forma representativa de ouro digital. Se for esse o caso, as taxas de transação mais elevadas e os longos tempos de confirmação reduzem o incentivo para que os participantes movimentem dinheiro, levando a mais "hodling", teoricamente reduzindo o fornecimento e aumentando seu preço. Outras moedas podem então servir de método de pagamento descentralizado para permitir transações rápidas e de baixo custo. A preocupação com isso é que, ao remover o valor da utilidade do Bitcoin, fluxos de capital maiores de fiduciário em moedas mais úteis também podem encorajar uma redução na relevância do Bitcoin e assim causar o efeito oposto. Parece que com sua diminuição do mercado, isso pode estar acontecendo.

No fim, o objetivo do Sr. Nakamoto era fazer do Bitcoin um sistema de pagamento, não um meio de acumulação de riqueza. Só o tempo dirá qual argumento vai vencer, mas, em sua forma atual, o Bitcoin fica muito longe de ser uma moeda corrente.

Arthur Iinuma é cofundador e presidente da ISBX, uma empresa líder em consultoria de software em Los Angeles. Ele ´w um ex-comerciante aprovado pela FINRA no Morgan Stanley e vice-presidente da UBS. Ele é um comerciante de criptomoeda e um investidor anjo acreditado. Arthur também é colaborador da Forbes.


Siga-nos no Facebook