Banco Interamericano de Desenvolvimento prepara blockchain para operações na América Latina

O Banco Interamericano de Desenvolvimento, maior banco de financiamento ao desenvolvimento da América Latina, está desenvolvendo uma blockchain com objetivo de garantir a veracidade de operações feitas através da internet na região. A notícia é desta sexta-feira, 1 de novembro, publicada pelo UOL.

A plataforma blockchain é gratuita e foi batizada de "LACChain", desenvolvida pelo BID Lab, laboratório de inovação do banco. O anúncio foi feito durante um evento Foromic, do BID, que reuniu especialistas em identidade digital e inclusão econômica do continente.

A ideia é que a blockchain aprimore as operações e serviços financeiros e educacionais, diz a gerente-geral do BID Lab, Irene Arias:

"O objetivo do LACChain é abrir muito mais acesso à tecnologia de blockchain, entendendo que ela pode ser um enorme facilitador para alcançar objetivos de impacto social, como melhorias nos serviços financeiros e educacionais e na produtividade no campo. [...] Estamos observando um crescimento tão rápido que nos permitiu lançar hoje esta iniciativa, que era apenas uma ideia no ano passado e agora tem casos reais, infrastrutura, padrões e protocolo definidos e um plano para o futuro."

A matéria também diz que os países da região enfrentam "amplos desafios" para inclusão social e econômica. Com a recente instabilidade política da América Latina, especialmente na Argentina, no Equador e no Chile, os desafios do continente, que tem uma das "piores perspectivas de crescimento" do mundo, para a inclusão econômica e social são ainda maiores.

O presidente do BID, Luis Alberto Moreno, disse que a região "está passando por um momento muito complexo" e que uma das causas dos "tempos turbulentos" é a desigualdade de oportunidades econômicas:

"Nos últimos meses temos observado fenômenos sociais que se manifestam de diferentes maneiras em diferentes países, mas com um elo comum: a enorme frustração que milhões de pessoas sentem em relação ao sistema econômico e social, que não está lhes dando as mesmas oportunidades que as das classes privilegiadas."

A LACChain, diz Moreno, é uma das chaves para o desenvolvimento de planos de inclusão econômica transparentes e com maior acessibilidade à população do continente.

Como noticiou o Cointelegraph Brasil, a América Latina tem adotado plataformas blockchain nos mais variados setores, muito além do ramo financeiro. A blockchain Tradelens, da IBM e da Maersk, já recebeu 50 portos e terminais marítimos na América Latina.

Continue lendo: