Bancos do futuro terão que lidar com clientes habilitados digitalmente: Expert Blog

Expert Blog é a nova série de artigos da Cointelegraph feita pelos líderes da indústria cripto. Ela abrange de tudo, desde a tecnologia Blockchain e de criptomoedas até a regulamentação de ICO e análise de investimentos. Se você quiser se tornar nosso autor convidado e ser publicado em Cointelegraph, envie-nos um e-mail para mike@cointelegraph.com.

Ao longo dos últimos 10 anos, os telefones celulares introduziram a Internet em todas as nossas interações econômicas e sociais. Em lugares como a China já vemos aplicativos móveis como o WeChat e o Alipay dominando mais de 90% do mercado de pagamentos. Eles não estão competindo por lucros, mas para aprender do que gostam e do que não gostam seus usuários e para entender seus hábitos e poder aquisitivo. Este conhecimento é usado para criar um perfil de usuário que é vendido aos anunciantes ou traduzido em empréstimos.

A China está se tornando uma sociedade sem dinheiro, usando aplicativos móveis que reduzem as instituições financeiras a meros provedores de pagamento. Os bancos estão se distanciando cada vez mais de seus clientes, sem qualquer conhecimento das necessidades desses clientes ou a capacidade de se envolver com eles. É fácil compreender que os pagamentos serão integrados a qualquer interação social digital em que nos comprometamos no futuro.

Assim nossos futuros provedores bancários terão que pegar carona na onda das redes sociais, carteiras, aplicativos de mensagens e sistemas operacionais móveis. Estes se tornarão redes de distribuição para seus serviços. Os bancos competirão para fornecer a melhor experiência bancária digital para uma geração que não entenderá o conceito de bancos físicos.

Um dos maiores impactos do uso de redes de distribuição baseadas na Internet para acessar sua base de consumidores é que elas reduzirão o número de intermediários que precisam participar de uma transação. Isso não quer dizer que os intermediários desaparecerão completamente, mas em um mundo em que duas entidades podem se comunicar P2P em canais públicos de internet, o conceito de correspondente banco será transformado.

Já vemos o poder de tais redes em lugares como Quênia, onde levou um serviço bancário chamado M-Pesa em apenas três anos de não ter nenhuma filial para se tornar o serviço bancário móvel mais bem sucedido no mundo em desenvolvimento. Eles conseguiram isso simplesmente conectando milhões de consumidores com seu banco através de SMS.

Outro impacto será uma redução no atrito inerente na troca de bancos. Pense sobre o quão fácil é para um motorista de táxi mudar todo o seu negócio pessoal do Uber para o Lyft diariamente. Esta oportunidade de um indivíduo simplesmente "sair" da rede coloca grande pressão sobre os modelos de negócios tradicionais. Isso dá uma vantagem aos intermediários que são capazes de se conectar com os consumidores em um nível pessoal, dar-lhes uma voz e criar lealdade que reduz o "êxodo".

Implementando sistemas distribuídos

À medida que essas novas redes de distribuição evoluem, elas se tornam mais eficientes. Podemos ver um exemplo disso em redes baseadas em Blockchain, como Bitcoin e Ethereum, que fornecem transações P2P que são realizadas sem qualquer operador de rede retendo taxas. Essas redes evoluem lentamente devido à sua estrutura de governança, mas estão mostrando uma habilidade significativa para coordenar um grande número de pessoas e organizações usando incentivos econômicos. Isso se alinha com os interesses de todas as partes na manutenção da rede e em sua melhoria. Imaginar novos tipos de bancos que operem em cima de um relato descentralizado pode levar a uma concorrência verdadeira no setor bancário e a introdução de oportunidades para a inovação financeira.

Em um mundo onde os pagamentos são baratos, instantâneos e 24/7, esses novos criptobancos serão intermediários confiáveis que aceitam depósitos de clientes e gerenciarão o capital desses clientes. Mas, ao contrário dos bancos tradicionais, eles não restringirão os usuários em um jardim fechado de serviços financeiros. O valor que eles fornecem aos seus clientes será medido em termos de sua capacidade de criar um pacote de soluções para produtos digitais. Eles formarão um mercado de serviços bancários, que vão desde empréstimos e gestão de patrimônio até seguros.

Oferecer um produto bancário em uma rede de distribuição pública também altera o fluxo de informações. Hoje, quando os consumidores fornecem seu número de cartão de crédito e, em troca, recebem crédito ao consumidor, eles estão presos a um único fornecedor de crédito. Mas quando os clientes fornecem uma prova de sua identidade, esses clientes compartilham um atestado de sua conduta financeira. Eles também estão dando sua localização para reduzir a fraude e informar o revendedor sobre a melhor maneira de te encontrar para tratar de assuntos relacionados ao atendimento ao cliente e recibos digitais.

Os padrões para identidade digital criarão novos modelos para avaliar o risco, o que permitirá conectar os credores aos tomadores de crédito e remover a dependência de provedores centralizados de pontuação de crédito. Os aplicativos sociais e móveis já estão oferecendo melhores controles de privacidade de dados para compartilhar informações com terceiros como resultado da demanda pública. Os melhores controles de privacidade baseados em criptografia podem capacitar os usuários a escolher seus provedores de crédito compartilhando mais de suas informações e registrando de forma segura todo o contexto de cada transação.

À medida que a sociedade se torna menos dependente das transações em dinheiro e mais dependente dos canais públicos da internet, a gestão do capital e a conformidade bancária parecerão muito diferentes, com maior ênfase nos sistemas criptográficos descentralizados. O custo da TI bancária será reduzido e sua resiliência melhorada com o uso de software de código aberto, alavancando sua natureza distribuída. Os primeiros reguladores orientados para a tecnologia criarão padrões de internet para regulamentação e pavimentarão o caminho para o resto. Isso permitirá o fornecimento de provas criptográfica de solvência ou prova de sua identidade. As empresas vão poder operar com maior transparência e os consumidores as usarão com maior privacidade.

Eventualmente as empresas fintech e os bancos se tornarão cada vez mais parecidos. À medida que os custos de aquisição de usuários comecem a subir para os bancos, eles começarão a pensar mais sobre maximizar o valor global de cada cliente e se tornarão mais eficientes. As empresas Fintech vão se tornar, bem ... simplesmente "bancos", e logo perceberemos que não há como escapar dessa palavra, não importa o quanto as empresas de tecnologia tentarão.

Mark Smargon é o vice-presidente de Blockchain e cofundador da Colu, um empreendimento de capital de risco financiado que usa a tecnologia blockchain para ajudar as pessoas criando moedas locais e construindo economias locais. Possui mais de 17 anos de experiência em tecnologias da web e compreende como alavancá-las para atender às necessidades do mercado. Especialista em tecnologia bitcoin e blockchain, Mark fundou anteriormente o Bitgo.co.il, um fornecedor de pagamentos de Bitcoin em Israel, bem como a Creatix, um dos principais fornecedores de comércio eletrônico.


Siga-nos no Facebook