Avaliação Global de Bancos e Criptomoedas: África

Bitcoin e blockchain tech estão prontos para adoção na África, onde a população está bem posicionada para adotar as tecnologias inovadoras como alternativas aos sistemas bancários caros e / ou desatualizados espalhados pelo continente.

A falta de infra-estrutura econômica emparelhada com a educação financeira inadequada deixou uma grande parte dos africanos sem contas bancárias ou meios monetários básicos. No entanto, em muitos países, a proliferação de smartphones permitiu o acesso a serviços financeiros alternativos que se tornaram um meio de pagamento dominante, especialmente entre a alta proporção da geração millenium.

O apelo do Bitcoin é em grande parte devido à sua acessibilidade e inclusão, mas o componente livre de confiança do uso de criptomoedas também resolve a questão de longa data da desconfiança dos africanos em relação às plataformas de pagamento online.

A comunidade cripto pan-africana lançou oficialmente a primeira criptomoeda multinacional do continente , o Nuru Coin, em fevereiro. Muitos esperam que isso ajude a facilitar o comércio entre os países africanos e forneça serviços financeiros a pessoas que de outra forma nunca teriam acesso a uma conta bancária tradicional. Mas a adoção convencional de seu uso requer mais consciência dos benefícios potenciais da tecnologia.

A antecipação de uma revolução tecnológica na África vem aumentando desde o final de 2017. Os governos mostraram pouca uniformidade em sua abordagem e atitude em relação aos crescentes mercados de criptomoedas no continente, mas o sentimento subjacente em relação às cripto e à descentralização é que ela pode fornecer ajuda humanitária e transformar as vidas das populações carentes.

A seguinte avaliação da regulação da criptomoeda na África é parte de uma série maior de peças que avaliam a regulamentação da florescente indústria global de fintech. A primeira parte da série analisa a atividade em hotspots asiáticos como Japão, Hong Kong, Cingapura e Taiwan, e como os governos estão facilitando ou dificultando o crescimento. A segunda parte examina a regulação cripto e as atitudes críticas mantidas por muitos líderes europeus. A terceira parte analisa as diferentes atitudes dos líderes ocidentais sobre a nova tecnologia disruptiva e como as agências reguladoras nas Américas estão se preparando para a adoção generalizada de criptomoedas.

A lista abaixo é baseada em uma pesquisa de notícias completa, mas não deve ser considerada completa. Se você tiver informações mais detalhadas sobre bancos e o relacionamento cripto em seu país, sugerimos que você as compartilhe na seção de comentários.

Os pontos de vista e opiniões aqui expressas são unicamente do autor e não refletem necessariamente as opiniões daCointelegraph.com. Todo investimento e movimentação comercial envolve risco, e você deve conduzir sua própria pesquisa ao tomar uma decisão.

LEGENDA

África do Sul

África do Sul

A África do Sul lançou sua primeira startup governamental de criptomoedas, o Projeto UBU, no final de 2017. Semelhante a outros projetos que visam aliviar famílias empobrecidas, o objetivo do Projeto UBU é distribuir renda básica universal para os sul-africanos desprivilegiado

Blockchain e criptomoedas são populares na África do Sul, onde as instituições financeiras estão dando passos notavelmente progressivos rumo ao envolvimento na indústria. A Blockchain Africa Conference aconteceu todos os anos desde 2015 em Joanesburgo e é parceira da IBM e da Microsoft, que foram os maiores contribuintes para o desenvolvimento tecnológico da África no último século.

O South African Reserve Bank estabeleceu um Programa de Tecnologia Financeira, que visa analisar os desenvolvimentos de fintech e aconselhar o governo sobre regulamentações apropriadas. Além disso, lançou um projeto blockchain baseado na tecnologia de contabilidade distribuída da Ethereum e experimentará pagamentos interbancários.

Embora o governo não tenha definido regras claras para o uso da moeda virtual, ele não reconhece o Bitcoin como moeda com curso legal e a South African Revenue Service considera ativos intangíveis com criptomoedas que estão sujeitos às regras normais de imposto de renda.

Nigéria

Nigéria

O Banco Central da Nigéria anunciou pela primeira vez um estudo comissionado sobre moedas virtuais em agosto de 2017, com o objetivo de reunir as partes interessadas para debater e trocar idéias - provando que o país é líder em blockchain e regulamentação Bitcoin na África .

Pouco tempo depois, a Blockchain Education Network da Nigéria e a Blockchain Nigeria User Group patrocinaram a primeira blockchain do país, onde dez startups e inúmeros líderes do setor estavam presentes e discutiram incentivos para trazer startups blockchain para a Nigéria.

Outra conferência organizada pela Techpoint, está prevista para o final deste mês, supostamente terá mais de 5.000 pessoas presentes. Mas a comunidade de tecnologia ativa ainda precisa ver qualquer resposta ou orientação regulatória do governo.

No entanto, as coisas poderiam mudar em breve. No início de abril, a Nigerian National Assembly adotou um projeto de lei intitulado “Necessidade de Regulamentar Aplicações Blockchaine e Tecnologia da Internet”, e pediu ao banco central para ajudar na criação de marcos regulatórios para desenvolvimento de blockchain e outras fintechs. .

Uganda

Uganda

O Bank of Uganda emitiu um aviso aos investidores sobre os riscos associados à criptomoeda em março do ano passado. No entanto, isso não impediu que investidores globais abrissem as bolsas no país e buscassem oportunidades para fortalecer a economia ugandense.

Relatórios recentes mostram que o governo ugandense está interessado em usar a tecnologia blockchain para fornecer serviços públicos básicos e posicionar melhor Uganda no mercado global, que é em grande parte impulsionado por inovações tecnológicas Uma conferência organizada pela AfricanBlockchain.org está programada para acontecer no próximo mês, onde os líderes discutirão planos viáveis para integrar blockchain na economia.

A organização blockchain Ugandan, Crypto Savannah, associou-se com a casa de câmbio cripto Binance em abril em um esforço para apoiar o desenvolvimento econômico no país, que é considerado o país mais pobre do mundo com um PIB de $2.000 per capita e uma população onde 77% não tem acesso a banco.

Quênia

Queênia

O Central Bank of Kenya emitiu uma advertência aos bancos em abril, impulsionando-os a rejeitar transações e entidades relacionadas à cripto e comparando o Bitcoin a um esquema de pirâmide. Mas os investidores cripto do Quênia ainda não viram nenhuma diretriz reguladora clara.

O governador do banco central expressou apoio à tecnologia blockchain, embora os bancos tenham mantido uma atitude cautelosa e cética em relação à moeda digital desde 2015.

A Finterra, uma empresa de blockchain globalmente presente, estabeleceu oficialmente uma firma queniana em resposta ao interesse aumentado em blockchain depois que o Presidente Uhuru Kenyatta disse que o país deveria explorar a potencial utilidade da tecnologia.

Uma força-tarefa de blockchain foi criada sob a diretiva do presidente em março Muitos entusiastas esperam que a tecnologia de contabilidade distribuída seja utilizada para o registro de propriedade de terras e para o fortalecimento dos serviços existentes de dinheiro móvel.

A maior operadora de rede móvel do Quênia é responsável pelo lançamento do M-Pesa, o serviço de transferência e pagamento de dinheiro por telefone celular, que possui 30 milhões de usuários e desafia cada vez mais o domínio do sistema bancário tradicional. No entanto, a incerteza regulatória no Quênia levou a M-Pesa a negar serviços às plataformas de negociação Bitcoin.

Egito

Egito

No início de 2017, um entusiasta local de Bitcoins comparou o uso de criptomoedas no Egito com o uso de narcóticos, alegando que um amigo foi preso sem julgamento por usar o site localbitcoins.com.

Em meados de 2017, quando surgiram relatórios com alegações de que a primeira bolsa Bitcoin havia sido lançada no país, o Banco Central do Egito reiterou o status legal de criptomoeda e negou que quaisquer trocas tivessem sido autorizadas.

A legalidade da criptomoeda é coberta pela lei egípcia que estipula que as transações com entidades estrangeiras sejam limitadas apenas aos bancos oficiais, e também proíbe transações bancárias eletrônicas.

Apesar do recente anúncio feito por um clérigo islâmico, alegando que as moedas virtuais são "halal" (permitidas), há confusão no Egito sobre a aceitação da moeda digital sob a lei da Sharia. Historicamente falando, o islamismo só reconhece “commodities de valor inerente” como moeda aceitável.

O governo sempre rege contra a criptomoeda, mas recentemente permitiu que o Central Bank of Egypt se juntasse ao consórcio de blockchain R3, baseado nos Estados Unidos, para experimentar tecnologias em evolução.

Ruanda

Ruanda

A Transform Africa Summit em Kigali, Ruanda, que contou com mais de 4.000 delegados, incluindo chefes de Estado, empresas de fintech, especialistas em blockchain, reguladores do governo, empresas de IA, bancos de investimento e capitalistas de risco, aconteceu nos dias 7 e 10 de maio.

O comparecimento diversificado com representantes dos setores público e privado, e o tema da conferência, “Acelerando o Mercado Único Digital da África”, é um exemplo do esforço coletivo dos líderes para garantir que a África não seja deixada para trás na revolução digital que se aproxima.

O National Bank of Rwanda publicou um documento no início deste ano detalhando a posição do banco sobre a criptomoeda e os riscos potenciais associados ao novo mercado de criptomoedas em relação às instituições financeiras estabelecidas. O banco concluiu que seus preparativos para a adoção generalizada de criptomoeda incluem a criação e regulação de uma moeda de propriedade do banco.

A plataforma de pagamentos blockchain baseada no Quênia, Bitpesa, expandiu-se sobre a África Oriental desde que foi estabelecida no final de 2013, mas a tendência de criptomoeda não foi confrontada com uma resposta regulatória dos governos da região. O aviso prévio do National Bank of Rwanda,, no entanto, prova que as autoridades monetárias nesses lugares estão se preparando para a próxima onda tecnológica.

Zimbábue

Zimbábue

No final do ano passado, o banco central do Zimbabué, o Reserve Bank of Zimbabwe, anunciou que o Bitcoin não é considerado uma moeda legal. Durante um período marcado por turbulências políticas, o banco alega estar envolvido em pesquisa e desenvolvimento de possíveis regulamentações para os mercados de cripto, mas o futuro do Bitcoin ainda está no ar, já que não houve nenhuma regulamentação proposta.

O anúncio do banco central veio dias depois de um golpe militar ter derrubado com sucesso o governo do Zimbábue, fazendo com que o preço do Bitcoin subisse em 10% na Golix, a maior bolsa de criptomoedas do país.

Golix teria aberto caixas eletrônicos Bitcoin na capital e carregado com dólares dos EUA no mês passado. O Zimbábue tem alguns dos piores níveis de inflação registrados na história moderna e, recentemente, abandonou sua moeda nacional por um sistema multimoedas que depende muito do dólar americano.

Tanzânia

Tanzânia

Os espectadores tomaram nota do crescimento do Bitcoin na Tanzânia quando o volume negociado na bolsa, LocalBitcoins, subiu no último verão. O aumento do uso de Bitcoin na Tanzânia é um indicador significativo de que as criptos estão se expandindo dos pontos criptos africanos, como a Nigéria, para nações rurais.

O Central Bank of Tanzaniacomentou sobre o recente aumento do preço do Bitcoin em março, ligando-o à especulação do mercado, e advertiu os investidores que estão comprando e vendendo no mercado de alto risco. O Bitcoin primeiro chamou a atenção do banco em dezembro passado e, desde então, estuda o Bitcoin com cuidado, a fim de criar regulamentações viáveis no futuro.

O governo da Tanzânia não baniu oficialmente as criptomoedas, e a comunidade criptodo país está aguardando a direção reguladora do banco e de outros reguladores regionais

Botsuana

Botsuana

Embora não exista nenhuma troca de Bitcoin presente na Botsuana, o país mantém uma comunidade pequena mas ativa de criptomoedas e blockchain. Muitos comerciantes viajam para países vizinhos, como a África do Sul, para usar trocas ou utilizar grupos comerciais on-line.

No entanto, os habitantes de Botsuana têm interesse no blockchain e realizaram a primeira Cúpula Bitcoin e Blockchain do país em 2016. Atualmente, o país tem três startups de blockchain, todas com o objetivo de atender às necessidades da população em grande parte sem acesso a banco.

O Bank of Botswana não emitiu nenhum regulamento para o mercado e, no final de 2017, alegou que não tinha interesse em estudar as criptomoedas em geral.

Gana

Gana

Em 2015, a Fundação Bill e Melinda Gates doou um subsídio de pesquisa para uma startup de blockchain baseada em Gana, Bitsoko, com o objetivo de promover a aceitação de dinheiro móvel para uso diário, e fornecendo uma cruzada barata e eficiente. sistema de pagamento de fronteira.

No entanto, os bancos de Gana estão restringindo o uso de criptomoedas por preocupação com seu uso em atividades ilegais, como lavagem de dinheiro e financiamento de terrorismo. O banco central de Gana anunciou que o Bitcoin não é legalmente reconhecido no início deste ano, mas sugeriu um interesse na tecnologia blockchain para melhorar os sistemas de pagamento e liquidação

Marrocos

Marrocos

A Moroccan Foreign Exchange e o banco central oficialmente proibiram transações cripto no final de 2017, e o envio e recebimento de pagamentos é punível com multa. A Foreign Exchange Authority insistiu que todos os pagamentos estrangeiros devem passar por intermediários autorizados e pelo banco central.

Argélia

Algeria

O Congresso Nacional Popular da Argélia propôs um projeto de lei de financiamento no final de 2017, que declarará o uso e a propriedade da Bitcoin ilegal, se assinada em lei.

Outras disposições do projeto de lei abordam o potencial das criptomoedass sendo usadas para atividades ilegais, como por tráfico de drogas e evasão fiscal, o que provavelmente é motivo de preocupação e resposta estrita do governo.

Etiópia

Ethiopia

O Ministério da Ciência e Tecnologia da Etiópia assinou um acordo com a startup de criptomoedas Cardano no início deste mês. O memorando de entendimento assinado pelas duas partes pretende orientar o desenvolvimento do blockchain e o treinamento para a indústria agritech do país.

Mais especificamente, o ministério estaria colaborando com Cardano na criação de um aplicativo blockchain para as remessas de café, a maior exportação do país.

Serra Leoa

Serra Leoa

O hype da mídia centrado em torno da possibilidade de que Serra Leoa usou tecnologia blockchain para votar na última eleição presidencial terminou com desapontamentos e alegações.

A Comissão Nacional Eleitoral respondeu à especulação da mídia e negou que usasse a empresa de tecnologia de votação Ágora para a eleição nacional. Ágora também respondeu, dizendo que desempenhou um papel legítimo como observador internacional, mas não serviu em qualquer capacidade oficial em termos de resultados eleitorais

O primeiro, segundo e terceiro volumes de nossos Bancos e Avaliação de Cripto foram sobre Ásia, Europa e Américas, respectivamente.