Banqueiro que chamou Bitcoin de 'a encarnação do mal' lidera o hub de moeda digital do BIS

Um ex-membro do conselho do Banco Central Europeu presidirá um novo ramo do Banco de Compensações Internacionais (BIS) com foco em moedas digitais e inovação financeira.

Em um comunicado de imprensa de 11 de novembro, o BIS confirmou que Benoît Cœuré começaria a presidir o Hub de Inovação a partir de 15 de janeiro de 2020.

BIS visa o impacto de "tendências críticas"

“A missão do Hub é identificar e desenvolver insights aprofundados sobre tendências críticas em tecnologia que afetem os bancos centrais; desenvolver bens públicos no espaço tecnológico voltado para melhorar o funcionamento do sistema financeiro global e servir como ponto focal para uma rede de especialistas em inovação do banco central”, explica o comunicado.

Cœuré já presidiu um grupo de trabalho dedicado ao estudo de stablecoins. Tanto o BIS quanto seu presidente Agustín Carstens, apesar de abertamente críticos de criptomoedas como o Bitcoin (BTC), se veem diante de um ambiente financeiro em rápida evolução.

O banco central chinês, o Banco Popular da China (PBoC) - um de seus membros - poderá em breve se tornar a primeira grande economia do mundo a emitir sua própria moeda digital.

Cœuré comentou:

“Estou ansioso para levar minha experiência para a comunidade global de bancos centrais neste momento de rápidas mudanças tecnológicas. Devemos fazer o melhor uso da inovação para apoiar a estabilidade financeira e promover a inclusão financeira.”

Nenhuma menção ao Bitcoin como "a encarnação do mal"

O Hub operará em Hong Kong e Cingapura, além da sede do BIS na Suíça.

Conforme relatado pelo Cointelegraph, o BIS concordou em fazer parceria com o Banco Nacional Suíço (SNB) no Hub no início de outubro.

"Há algum tempo, o SNB acompanha de perto a digitalização do setor financeiro e as inovações tecnológicas nas áreas cobertas por seu mandato", disse Thomas J. Jordan, presidente do Conselho de Administração do SNB, na época.

No ano passado, o próprio Cœuré descreveu o Bitcoin como "a encarnação do mal da crise financeira".