Banco do Japão: moedas digitais emitidas pelo banco central não são uma ferramenta econômica eficaz

O vice-governador do Banco do Japão (BOJ), Masayoshi Amamiya, reiterou recentemente sua posição negativa em relação às moedas digitais emitidas pelo banco central (CBDC), informa o New York Times em 20 de outubro.

Falando no sábado em uma reunião em Nagoya, no centro do Japão, Amamiya expressou dúvidas sobre o uso de CBDCs, alegando que tais moedas digitais não devem melhorar os sistemas monetários existentes. Amamiya também afirmou que o BOJ não planeja emitir moedas digitais.

O artigo relata que alguns especialistas financeiros consideram um CBDC como uma ferramenta para os bancos centrais controlarem a economia quando as taxas de juros caem para zero. De acordo com essa teoria, um CBDC permitiria aos bancos centrais estimular a economia cobrando mais juros sobre depósitos de indivíduos e empresas, o que, por sua vez, os induziria a gastar mais dinheiro.

Amamiya questionou essa teoria, alegando que cobrar juros sobre as moedas emitidas pelos bancos centrais só funcionaria se os bancos centrais eliminassem dinheiro fiduciário do sistema financeiro. Caso contrário, o público continuará a converter moedas digitais em dinheiro para evitar o pagamento de juros:

"Para que os bancos centrais superassem o limite inferior zero das taxas de juros nominais, eles precisariam se livrar do dinheiro da sociedade."

Por sua vez, a eliminação da moeda fiduciária no Japão “não é uma opção para nós como banco central”, uma vez que o dinheiro ainda é um método popular de pagamento no país, afirmou Amamiya.

O vice-governador do BOJ salientou que o banco não está planejando criar uma CBDC que possa ser amplamente utilizada pelo público para fins de liquidação e pagamento. A mudança para a criptomoedas bancária das divisas soberanas existentes é considerada "um obstáculo muito alto", enquanto os ativos criptos são frequentemente associados a investimentos especulativos e não representam um meio estável de pagamento, observou ele.

Em abril, Amamiya forneceu uma declaração cética similar sobre CBDCs, alegando que uma criptomoeda apoiada pelo Estado poderia ter um impacto negativo no sistema financeiro existente. No entanto, naquela época, Amamiya afirmou que o banco ainda estava de olho em fintechs emergentes com cripto no futuro.

No início desta semana, um comitê de política tributária do Japão realizou uma discussão com o objetivo de facilitar o processo de declaração de impostos de criptomoeda, com os participantes pedindo para aliviar o complexo regime de declaração fiscal existente.

Em 16 de outubro, a gigante de mensagens do Japão, a LINE, lançou o comércio de seu recém-desenvolvido LINK (LN) em seu câmbio nativo de criptomoedas BITBOX.