Bank of America: nossa 'dificuldade em adaptar-se' pode nos levar a falhar ao competir com o cripto

O Bank of America (BoA) admitiu aos reguladores dos EUA que ele pode ser "incapaz" de competir com o crescente uso das criptomoedas.

Em seu relatório anual à Securities and Exchange Commission (SEC) desta semana, arquivado em 22 de fevereiro, o principal banco dos EUA pela primeira vez destaca as criptomoedas como uma área que pode causar "despesas substanciais", ao tentar permanecer competitivo.

"A nossa incapacidade de adaptar nossos produtos e serviços à evolução dos padrões da indústria e das preferências dos consumidores poderia prejudicar nosso negócio," BoA afirma no relatório.

Ainda que os bancos em todo o mundo olhem para o fenômeno da criptomoeda, a interação direta ainda permanece baixa. A falta de aceitação constituiu uma razão central pela qual o Banco Central Europeu confirmou que havia optado por uma abordagem amena para legislar a área no início deste mês.

Embora o BoA tenha procurado inovar na esfera, recebendo uma patente para o sistema de negociação de criptomoedas proposto em dezembro de 2017, foi criticado mais recentemente após bloquear seus clientes do cartão de crédito para compras de criptomoedas.

À medida que o relatório para o SEC continua, a clara conscientização da instituição sobre a ameaça que representa a sua principal oferta de negócios por competidores torna-se clara.

"... O cenário competitivo pode ser impactado pelo crescimento de instituições não depositárias que oferecem produtos tradicionalmente bancários, bem como novos produtos inovadores," prevê o BoA. O relatório continua:

"Isso pode reduzir nossa margem de juros e receitas líquidas de nossos produtos e serviços baseados em taxas. Além disso, a adoção generalizada de novas tecnologias, incluindo serviços de internet, sistemas de pagamento cripto, pode exigir despesas substanciais para modificar ou adaptar nossos produtos e serviços existentes[.]"

O banco também apontou falhas de retenção de pessoal e "aumentar a concorrência" no setor de serviços financeiros como prejudicial para suas perspectivas.